Jovens de baixa renda recebem tratamento odontológico gratuito em Cotia

Pela quinta vez, a Turma do Bem se une à Oral-B para recuperar a saúde bucal de milhares de adolescentes carentes com idades entre 11 e 17 anos

0
1647
Foto: Turma do Bem

No próximo 28 de abril, data em que se comemora o Dia Mundial do Sorriso, o programa Dentista do Bem, da OSCIP Turma do Bem, irá selecionar centenas de jovens de baixa renda para receber tratamento odontológico gratuito. Na ocasião, será realizada a quinta edição da Maior Triagem Odontológica do Mundo na  E.M.Samuel da Silva Filho, Parque Mirante da Mata. A ação, resultado da parceria entre Oral-B e Turma do Bem, acontecerá simultaneamente em mais de 300 munícipios do Brasil, outros 10 países da América Latina e Portugal.

“Em Cotia, este ano o programa atenderá crianças e adolescentes da Escola Municipal Samuel da Siva Filho”, declara Fabiana Tristão e Mello, dentista especialista em Ortopedia Funcional dos Maxilares.

O objetivo do evento é identificar adolescentes de baixa renda, que necessitam de tratamento odontológico e proporcionar-lhes qualidade de vida por meio do acesso à saúde bucal. “Um adolescente que não tem possibilidade de ir ao dentista e de cuidar da boca, será um adulto infeliz. Isto porque quem sente dor não estuda, não brinca, não consegue um bom emprego, não beija na boca e se afasta dos amigos. O acesso à saúde bucal de qualidade faz com que esses jovens sejam incluídos novamente na sociedade”, afirma o coordenador regional voluntário da TdB, Dra.Fabiana Mello.

No Brasil, segundo o Conselho Federal de Odontologia (CFO), 20 milhões de brasileiros nunca foram ao dentista e 68% não sabem que têm direito a tratamento odontológico público. Além disso, de acordo com dados da Oral-B, o consumo médio de escova de dentes no Brasil é de 1,9 escovas/ano* – muito distante da recomendação de 4 escovas/ano, respeitando-se a orientação de troca a cada 3 meses, por questões de higiene e razões funcionais.

Para Fabiana Mello, esse cenário é resultado de um descaso histórico com a questão da odontologia. “As pessoas continuam sofrendo para ir ao dentista.”

Foi o que aconteceu com Altair Clemente. Em 2014, ele estava desempregado e buscou atendimento no Sistema Único de Saúde para o filho Lucas, sem sucesso. “Havia cortados todos os gastos em casa. Não tínhamos condições de ir ao dentista. Ele estava com vergonha dos dentes, tortos, separados. Procurei o posto de saúde, e não tinha vaga. Foi quando fiquei sabendo da Megatriagem 2014 da Turma do Bem. O Lucas foi examinado e depois recebeu o tratamento completo”, conta.

Dois anos depois, em 2016, foi a vez do filho mais novo conseguir ajuda. “Em 2014 o Thiaguinho tinha menos de 11 anos, por isso não pôde entrar no projeto. Ano passado porém, a gente ficou sabendo que teria mais uma Megatriagem. Não tive dúvida, peguei ele pela mão e levei até o MASP (local onde aconteceu a triagem de São Paulo). Hoje vejo meus filhos felizes, sorridente e falando com as pessoas sem vergonha. Isso não tem preço”, afirma Altair.

A triagem – O processo é simples, rápido e não invasivo: o dentista faz um exame visual da condição bucal de cada jovem e preenche uma ficha com dados sobre a saúde bucal e a condição socioeconômica da família.

A seleção – Após a triagem, é elaborado um dossiê de cada criança e adolescente com a ficha de avaliação, uma cópia do comprovante de residência e a autorização dos pais ou responsáveis para que o tratamento seja realizado. A seleção é feita por meio da aplicação de um índice de prioridade, que beneficia as crianças e os adolescentes mais pobres, com problemas bucais mais graves e os mais velhos, que estão mais próximos do primeiro emprego. Cada selecionado recebe uma carta com o nome e o endereço do dentista voluntário que será responsável pelo seu tratamento; para facilitar o acesso, a TdB encaminha o beneficiário para o consultório mais próximo da sua residência.

O tratamento – Os dentistas voluntários atendem, em seus próprios consultórios, as crianças e os adolescentes selecionados até eles completarem 18 anos. Curativo, preventivo e educativo, o tratamento é totalmente gratuito e completo, incluindo, se necessário, radiografias, ortodontia, próteses e implantes, por exemplo.