Confira 13 dicas para pais de adolescentes

Fase entre infância e vida adulta é marcada por descobertas e exige apoio familiar

0
2102
Foto: FreeImages

“A adolescência é uma fase difícil!” Todo mundo já ouviu essa frase algumas vezes na vida, sendo adolescente ou pais de um.

É complicado, todos nós sabemos. Mas como agir quando estamos no papel de pais? Como lidar com a rebeldia? Como saber o que se passa com o filho sem violar sua privacidade?

Conversamos com a psiquiatra e coordenadora do AME de Psiquiatria da Vila Maria, Maria Tereza Gomes Rosa, elencamos 13 dicas para os pais de adolescentes.

Confira

1 – Adolescência é uma fase de novidades
“É uma fase de transição, muito antigamente não existia adolescência, já saímos da infância para a fase adulta, já começávamos a trabalhar, não havia um tempo de estudo tão grande. Agora, não é assim, nossa sociedade exige um tempo de formação maior. Com a transição, a pessoa já não mais criança mas também não é adulto. Eu não diria que chega a ser uma fase difícil, mas, é claro que é diferente. E o que deixa a fase mais difícil ou não é a personalidade de cada um”.

2- Hormônios influenciam
“A menarca e a alteração hormonal mensal para as meninas, a mudança de voz para os garotos… Tudo isso precisa ser considerado, porque também mexe com a psique, pois  há a necessidade  entender e aceitar essas mudanças”

3- Quero minha turma!
“Os rolezinhos e outras manifestações mostram como o adolescente tem essa necessidade de fazer parte de um grupo e agir daquela maneira. A gente nota que há grupos em que todos se vestem da mesma forma, adotam o mesmo corte de cabelo. Então, é natural um adolescente procurar um grupo, ele tem essa necessidade”.

4- Diferencie tristeza comum de comportamentos depressivos
“Os pais talvez não não consigam diagnosticar um quadro depressivo, mas podem notar sinais de alerta para buscar uma avaliação especializada. É ver se há mudanças na rotina dele, no comportamento, mudanças fisiológicas  – como alteração de apetite, mudança no sono , mudança no rendimento escolar. A mãe e o pai precisam conhecer o filho para saber, por exemplo, se ele é mais introspectivo mesmo ou se é algo novo. Claro que cada caso é um caso, mas os pais precisam entender o que está acontecendo.

5- Não viole a privacidade, mas esteja de olho
“A internet traz uma preocupação aos pais mesmo porque ela faz com que o adolescente tenha acesso ao mundo inteiro. Mas não é aconselhável vasculhar celular, ler mensagens. Mas é preciso estar perto, porque, muitas vezes, quando um adolescente participa de um jogo na internet ele não sabe o quanto é perigoso ou que está sendo manipulado”.

6- Seja acessível
“Mostre-se acessível ao filho e entenda que ele contará algumas coisas e outras não. O importante é o pai e a mãe deixarem claro que estão ali com eles. A dica é deixar a porta aberta para que o filho pode procurá-los quando tiver vontade. É essa proximidade que vai ajudar no diálogo”

7- Conheça seu filho, participe da vida dele
“Saiba a rotina dele, o que ele faz, o que ele gosta, quais são os amigos, quais são os projetos de vida. Quando você conhece a rotina e participa de coisas práticas, você abre espaço para ele compartilhar as questões afetivas e emocionais”.

8- Drogas e bebidas alcoólicas
“Se encontrar cigarros ou drogas nas coisas do filho, é preciso conversar sobre o que está acontecendo. E ficar de olho, por exemplo, se na conversa ele prometer que não vai mais usar, permaneça atento, porque pode ser que o adolescente não fale a verdade. A questão de drogas esbarra muito no tema sobre mudança de comportamento e a necessidade de grupo, pois os adolescentes costumam não usar sozinhos”.

9- Elogiar é tão importante quanto cobrar
“Quando queremos o melhor para os nossos filhos, cobramos muito, que ele estude, tenha boa notas. Mas, geralmente, consideramos aquilo que fez bem como obrigação dele. É claro que é importante cobrar, mas é preciso também frisar o que ele faz de bom. Se eu só cobro sem reforçar as qualidades, ele vai achar que não faz nada de bom, vai achar que as coisas boas que ele faz não fossem notadas”.

10 – Bullying
“O bullying não é uma questão não tão incomum, muitas pessoas sofrem e cada um reage de forma diferente.Também nesse ponto, voltamos ao fato de estar presente, analisar o quanto o filho está sendo prejudicado pelo bullying. Ou seja, ir à escola, conversar com diretores e verificar o que pode ser feito, porque sabemos que há casos muitos graves de bulling em que os jovens não querem ir para escola, temem ser agredidos etc. Mas antes de tudo é preciso entender o que está acontecendo com o filho para pedir ajuda”.

11- Jogos de internet
“Os adolescentes costumam ser mais impulsos, curiosos, querem fazer parte de um grupo. Acabam sendo atraídos por jogos como o da baleia azul. Muitas vezes podem não perceber que estao sendo manipulados, o que os deixam mais suscetíveis. Se perceber que seu filho está participando de um jogo desse, converse e se for o caso, peça ajuda profissional”.

12- Automutilação
“A  automutilação acontece independente do jogo da balela azul. No entanto, não é porque um adolescente entrou num grupo de amigos que fazem isso, que ele fará, independentemente de qualquer coisa. Quem acaba sendo mais prejudicado por esses grupos são os adolescentes  mais frágeis”

13- Suicídio
“Ainda precisamos de mais estudos sobre isso na psiquiatria, mas sabemos que o suicídio pode ter um efeito de massa  até para adultos. Não há comprovações, mas notamos que noticias de suicídio podem desencadear outros atos e também não é só porque uma pessoa sofreu bullying ou participa de um jogo que vai se suicidar. Isso dependente de uma serie de fatores, da rede de apoio que a pessoas tem e ate das questões patológicas mesmo”.

AME: atendimento com especialistas
Os Ambulatórios Médicos de Especialidades (AME) são postos descentralizados de atendimento que contam com médicos de diferentes especialidades (acupuntura, psiquiatria, cardiologia, endocrinologia, oftalmologia, neurologia, entre outros).

Criado para tornar mais rápido o atendimento na rede pública de saúde, o AME oferece em suas unidades exames que vão desde a um simples Raio-X aos procedimentos mais complexos, como a eletroneuromiografia (exame neurológico para avaliação dos nervos e músculos) e densintometria óssea, que é o exame mais seguro para detectar fraturas.

Cirurgias também podem ser feitas em algumas das unidades. Os pacientes são encaminhados pelas Unidades Básicas de Saúde (UBS) dos municípios, que marcam as consultas pelo sistema informatizado de agendamento da Secretaria da Saúde.