As eleições se aproximam, afine o alvo e mande bala!

Sobre este tema escreve o nosso colunista Marcos Sá.

0
2954

Quando escrevi a minha última coluna estava a caminho de Edimburgo, na Escócia, e prometi escrever sobre essa viagem. Mas, em razão da proximidade das eleições, resolvi adiar essa promessa e escrever sobre o atual caótico panorama da mais importante das eleições já disputadas nesse país. Escrevo com antecedência da publicação da revista, portanto, muita coisa pode mudar até você ler esta coluna. Já que no Brasil não conseguimos prever nem o passado, imagine o futuro, mas algumas prévias considerações são cabíveis. Teremos mais de uma dúzia de candidatos à Presidência, num universo de mais de 30 partidos. A maioria dos partidos sem nenhuma crença ideológica, apenas balcões de negócios espúrios com fins mercantilistas. Mais importante que a escolha do presidente e dos governadores é a escolha dos novos congressistas. Senadores, deputados federais e estaduais. Hoje o Congresso está contaminado por deputados e senadores enrolados com a Justiça e em busca da reeleição para ganhar foro privilegiado. O percentual de candidatos à reeleição atinge 90% dos atuais parlamentares. Temos de eliminar essa gangue. Não reeleger nenhum político que esteja indiciado ou condenado e eleger gente ficha limpa e com passado probo, candidatos dispostos a mudar o atual status quo. Para isso existem inúmeros sites/apps que nos auxiliam a “puxar a capivara” dos candidatos. O site www.eleicoes2018.com/ficha-limpa/ é um dos quais você consegue obter informações completas sobre o candidato. Você se lembra em que deputados votou na última eleição? Provavelmente, esqueceu. Pois é isso mesmo o que eles querem, que depois de eleitos nos esqueçamos de que eles existem até a próxima eleição. Nesse meio-tempo ficam legislando em causa própria, votando leis que defendem interesses de corporações/segmentos para os quais prestam contas, aumentando os próprios benefícios e distribuindo vantagens para conseguir votos para a reeleição. Muita atenção nessa hora. Quanto aos presidenciáveis, mais uma vez, as propostas dos mesmos não empolgam. Certa vez, ao viajar, (não existia celular) pedi para anotarem os recados das ligações que receberia. Ao voltar havia um bilhete com o seguinte recado, ligou N******. Devido à letra incompreensível no recado, só consegui decifrar a primeira letra do nome, N. Passei horas ligando para todos os conhecidos com o nome iniciado pela letra N. Nelson, Nestor, Nadia, Nildo… você me ligou? Não descobri de quem era a ligação. Até que mais tarde, calmamente, o autor do bilhete ilegível me esclareceu. Disse ele: ligou Ninguém! Pois o tal Ninguém, segundo as pesquisas, é o candidato que tem mais intenções de votos até agora. De 20% a 25% dos eleitores mais à direita já escolheram seu candidato e os eleitores mais à esquerda idem, apesar do candidato a “Presodente” estar inelegível. Portanto, sobram entre 50% e 60% dos eleitores que, por enquanto, votarão no “Ninguém”. Há um espaço grande para um candidato com ideias novas, mais ao centro, conquistar esses votos. É esperar para ver. Um dado interessante me chamou a atenção, sobre os presidenciáveis, a divulgação da Declaração de Imposto de Renda e seus respectivos patrimônios: 1-João Amoedo (Novo) 425 milhões. 2-Henrique Meirelles (MDB) 377,5 milhões. 3- João Goulart Filho (PPL) 8,6 milhões. 4-Lula (PT) 8,0 milhões. 5-Eymael (DC) 6,1 milhões. 6-Álvaro Dias (PODEMOS) 2,9 milhões. 7-Jair Bolsonaro (PSL) 2,2 milhões. 8-Ciro Gomes (PDT) 1,7 milhão. 9-Geraldo Alckmin (PSDB) 1,4 milhão. 10-Marina Silva (REDE) 119 mil. Temos uma bala de prata no gatilho do título de eleitor para ajudar o país a sair desse imbróglio político/econômico/eleitoral. Bala de prata é uma expressão adotada como uma metáfora para designar uma solução simples para um problema complexo com grande eficiência. Afine o alvo e mande bala! De prata.


Por Marcos Sá, consultor de mídia impressa, com especialização em jornais, na Universidade de Stanford, Califórnia, EUA. Atualmente é diretor de Novos Negócios do Grupo RAC de Campinas