Quem visita ou tem um plano de passear pela cidade de Nova Iorque, ou New York City, geralmente planeja conhecer o Central Park, a Estátua da Liberdade, a Times Square, o Rockfeller Center ou, se for mais tecnológico, a loja da Apple na Quinta Avenida.  Famosos pontos turísticos da cidade que recebe cerca de oitocentos mil brasileiros por ano, de acordo com a NYC Travel & Tourism Trends, em pesquisa divulgada no ano de 2018.

Nova Iorque é centro de cultura com alcance global. Filmes, séries e músicas que influenciam gerações têm a cidade como tema. Então, mais do que natural um turista querer conhecer o máximo possível do espírito Nova Iorquino. Nesse contexto, ninguém espera que o Brasil marque presença em um ponto turístico.

No centro de Manhattan, na Sexta Avenida, entre as ruas 40 e 42, está o Bryant Park. Sedia a Biblioteca Pública de Nova Iorque, famosa por seus afrescos e arquitetura da época das Belas Artes. Apareceu nas filmagens de Sex and the City(2008), Homem-Aranha 2 e 3(2002 e 2007), De repente 30(2004) e em muitas outras.  Nele há um local conhecido como Avenida das Américas onde uma estátua do brasileiro José Bonifácio de Andrada e Silva foi posicionada em destaque.

Conhecido como o Patriarca da Independência, José Bonifácio está ali para lembrar aos visitantes de princípios e ideais Pan-Americanos defendidos na formação das Américas. Ele é uma das seis lideranças Latino-Americanas escolhidas para isso. Foi em virtude de seu trabalho para a independência do Brasil, pela defesa por uma Constituição no Império e pela abertura de fronteiras do país que o Patriarca da Independência está representado como pessoa importante para a formação política do Continente Americano como vemos nos dias de hoje.

Trabalho do escultor José Otávio Correia de Lima (1878-1974) foi doada pelo Brasil aos Estados Unidos em 1954. Inaugurada em 1955, com discurso do presidente Juscelino Kubitschek, juntamente com a presença do Embaixador João Carlos Muniz, do Cardeal Francis Spellman e de diversas autoridades do Executivo Americano. É uma estátua feita de bronze, no medalhão aos seus pés foi escrito: ESTADOS UNIDOS DO BRASIL, 15 de novembro de 1889. Marcando a data da Proclamação da Nossa República.

Na época pré-independência do Brasil, disse José Bonifácio[1]: “Pretender de um soberano absoluto que não seja invejoso e despótico, quando diariamente tem motivos constantes para o ser, é querer milagres da natureza humana.” Lembremos que há despotismo quando não há constituição, nem leis que controlem os governantes.  As palavras foram escritas por José Bonifácio em meados de 1800. Os partidos e o mundo eram outros mas, como vemos, a natureza humana era a mesma. Governante sem lei é sempre capaz de ceder ao egoísmo, à má gestão e à busca por bem-estar só para si.

Então, podemos nos orgulhar do Brasil. Estamos representados na Avenida das Américas, no centro de Nova Iorque, como lembrete de que os governantes sempre devem seguir as leis e serem limitados por elas. Então, neste mês da Proclamação da República, deixamos esta dica: vá ver o José Bonifácio na Avenida das Américas em Nova Iorque. Quando estiver na frente dele, pense na capacidade que um brasileiro tem de inspirar a História e os moradores da mais cosmopolita das cidades mundiais.

Onde ir: Avenue of the Americas, 6th Avenue, 1078 Bryant Park, New York, NY 10018.

Quando ir: o ano todo, o parque é aberto ao público 24 horas por dia, durante toda a semana.

Sobre José Bonifácio: CALDEIRA, Jorge. José Bonifácio de Andrada e Silva. Col. Formadores do Brasil. São Paulo: editora 34, 2002

[1] In Notas sobre a organização política do Brasil, quer como Reino Unido a Portugal, quem como Estado Independente. Extraído de Souza, Octavio Tarquinio de Sousa (org), O pensamento de José Bonifácio apud CALDEIRA, Jorge(org) José Bonifácio de Andrada e Silva, col. Formadores do Brasil, ed. 34, 2002 pp. 119 -133

 



Mariana Nogueira Machado Simões

Advogada, especialista em Gestão e Tecnologia Ambiental, com atuação em desenvolvimento urbano, brasileira,  amante da natureza, admiradora dos povos e das culturas do mundo.