A Granja Vianna já foi referência como lugar tranquilo, de grandes áreas verdes, silêncio e ar puro. A Prefeitura de Cotia, porém, não compartilha de visão mais moderna e sintonizada com um planejamento urbano coerente e com uma perspectiva de futuro que busque manter e ampliar estas características. O aumento exponencial de condomínios e comércios não levou em conta, minimamente, o impacto do trânsito em nossas vias estreitas. Moramos há mais de vinte anos na avenida Cherubina Vianna. O trânsito raro, o ar puro e o canto dos pássaros eram nossos vizinhos, num trecho exclusivamente residencial. Hoje, temos em frente à nossa casa dois bufês, uma escola bilíngue e um ateliê de cerâmica. Nessa ocupação da via pública, não existe vaga para moradores, fornecedores, trabalhadores e amigos, pois todos os espaços são ocupados pelos frequentadores desses negócios. Chegamos a ter mais de 50 carros, ao mesmo tempo, ocupando a via. Foram inúmeras as tentativas de pedir ao Demutran  que delimitasse um lado da rua para o estacionamento. Repetidamente, temos que dar ré no nosso veículo, porque ambos os lados estão ocupados, impedindo a circulação em uma via de duas mãos. A quem interessa degradar os bairros residenciais dessa maneira? O que a Prefeitura de Cotia ganha expedindo essas licenças, e permitindo esse tipo de ocupação, não fiscalizando esses estabelecimentos, desprotegendo os moradores do bairro?

Terezinha Almeida / Marcelo Zilber

 

CIRCUITO A carta foi enviada para a Prefeitura de Cotia, mas até o fechamento da edição não recebemos resposta.