Edição 228: dezembro de 2018

2607

Chegamos à nossa edição de dezembro com muita bravura. O ano de 2018 se iniciou com um sopro de otimismo e logo foi mostrando que teríamos novas batalhas para serem vencidas. O mundo está girando rápido demais, impulsionado por ações de grandes líderes que geram reações imediatas e, muitas vezes, assustadoras. São ataques químicos e
egomaníacos. Como estará o balanço entre o bem e o mal? Em alguma parte do planeta existe um equilíbrio? Pois é para lá que todos estão migrando. No Brasil, assistimos em
rede nacional à prisão do primeiro ex-presidente da história por crime de corrupção e lavagem de dinheiro. Então emendamos em uma greve, também histórica, de caminhoneiros que parou o país inteiro acarretando prejuízos imensuráveis em todos os setores da economia. Copa do Mundo chegou em julho, com parte dos brasileiros animados por torcerem pela camisa verde e amarela e outra parte, jogando a toalha. A casa caiu, quer dizer, o Neymar caiu e a economia também. Deixa pra 2022. Segundo semestre, que sempre trouxe bons ventos ajudando a fechar as contas de fim de ano, foi marcado pelas eleições e deixou os nervos de todos à flor da pele. Candidato esfaqueado de um lado, candidato preso do outro. Amigos se bloqueando e gente demais se expondo. Complicou de novo. Presidente eleito, nova equipe para governar o país. No balanço otimista de todo cenário, os brasileiros finalizaram o MBA da politização. Aprendemos, e muito, sobre política. Buscamos informações, fomos às ruas, ficamos alertas. Agora estamos munidos de conhecimento e causa e, assim, teremos um novo capítulo para
começar com essa nova governança. Esperança, sempre tivemos, é próprio da nossa cultura. Mas não seremos mais enganados facilmente.
Se existe um gênero musical que canta as adversidades do dia a dia, este é o rap, que vem do inglês rhyme and poetry (rima e poesia). Inclusive o rap ultrapassou pela primeira vez na história o rock como gênero musical mais ouvido nos EUA. O relatório anual da Nielsen indica que R&B e hip hop representaram 24,5% da música consumida nos EUA em 2017, com o rock em segundo, com 20,8%. Essa foi a maior porcentagem da história do R&B/hip hop e a primeira vez em que o gênero ficou na liderança do ranking.
No Brasil a banda Racionais MC´s, que acaba de completar 30 anos de carreira, é um verdadeiro fenômeno do gênero e da cultura nacional. O disco Sobrevivendo no Inferno acaba de virar livro, editado pela Companhia das Letras, e já é uma das obras a serem consultadas pela Unicamp. Bebendo e se inspirando dessa fonte, porém com rimas e métricas próprias e bem autênticas, destacou-se o cantor José Tiago Sabino Pereira, conhecido como Projota. Cantor e compositor desde cedo, descobrimos que esta personalidade se mudou há pouco tempo para a Granja Viana. O rapper recebeu a equipe da Circuito em sua casa e concedeu uma entrevista exclusiva em que nos conta sua surpreendente trajetória de vida, carreira musical e também novos projetos.
Trazemos ainda as tendências que vão bombar neste verão. Falamos do compromisso entre Prefeitura de Cotia, Sabesp e Ministério Público que propõe investimento de R$ 180 milhões para despoluição do rio Cotia e obras de saneamento. Conhecemos moradores da região que cultivam de lúpulo a diversas plantações.
Vamos em frente com muita fé, garra e saúde. Agradecemos a todos por mais um ano de parcerias e aprendizado. Seguimos juntos e até a próxima edição.
Feliz Natal e Próspero Ano-Novo!

  • Baixe aqui a edição em PDF