Brasileiros estão entre os melhores professores do mundo

Jayse Ferreira, de Pernambuco, e Débora Garofalo, de São Paulo, concorrem ao Prêmio Global Teacher, que paga US$ 1 milhão ao vencedor. A premiação será em março, em Dubai. Os 50 finalistas foram selecionados entre dez mil candidatos de 179 países

360

Jayse Ferreira, que dá aulas de Educação Artística no interior de Pernambuco, e Débora Garofalo, que ensina tecnologia e robótica em uma escola pública da zona sul de São Paulo, estão entre os 50 melhores professores do mundo. Ambos concorrem ao Prêmio Global Teacher, que paga US$ 1 milhão ao vencedor.

A premiação será em março, em Dubai. Os 50 finalistas foram selecionados entre dez mil candidatos de 179 países. Criado em 2015 pela Fundação Varkey Foundation, a iniciativa já contou com dois brasileiros no top 10, mas nas duas vezes o prêmio escapou.

Segundo pesquisa da mesma fundação, menos de 1 em cada 10 brasileiros (9%) acha que os alunos respeitam seus professores em sala de aula. Ainda de acordo com o estudo, o Brasil caiu para a última posição do ranking de prestígio de docentes.

Mesmo diante deste cenário, os educadores finalistas ainda acreditam que há espaços para mudança. Em entrevista ao G1, eles relataram que para uma aula ser encantadora, precisa da participação dos alunos em todas as etapas.

“Nós mostramos muito o lado negativo, o professor agredido, a escola sem partido, uma profissão desgastada. E quando eu chego com essa visão simples, passo a passo, dizendo que eles precisam conversar com a comunidade, eles percebem como é simples. E é isso que o professor quer ouvir, soluções. De problemas a gente já está cheio. Queremos projetos escalonáveis”, relata Jayse.

“Eu deixaria como legado pensar numa escola que possa não só trabalhar o conhecimento, mas também questões locais. É viável, é replicável, é importante aprender com os alunos, deixar a construção coletiva acontecer e aprender realmente uns com os outros. Inclusive nós, professores”, conclui Débora.

Com informações do G1