Algoritmos: o que são e como eles te controlam

Artigo do Doutorando em Comunicação e Cultura Midiática, Leonardo Torres, explicando o que são algoritmos e como eles estão presentes no dia a dia das pessoas.

383

Você sabe o que é um algoritmo e como ele influencia sua vida? Trata-se de uma série de passos, regras ou procedimentos pautados pela lógica, que tentam solucionar um problema. Por exemplo: você precisa estar pronto para o trabalho às 8h da manhã. Logicamente, você irá acordar às 6h30, se alimentar, tomar banho, escovar os dentes e se arrumar até, precisamente, estar pontualmente pronto para o trabalho. Se todos esses passos deram certo, é porque você conseguiu resolver o problema; então, o algoritmo funcionou. Pena – ou não – que nós, seres humanos, sempre nos atrasamos em acordar na madrugada. Porém, o computador não. 

Nesse caso, o computador trocaria a sequência do que fazer até estar pronto para o trabalho, como acordar, escovar os dentes, tomar banho, se alimentar e se arrumar. Ou até sequências conflitantes, como se arrumar e depois ir para o banho. Os algoritmos testam e comprovam os caminhos possíveis, para tentar entregar a melhor forma para você estar pronto às 8h da manhã.

Onde estão os algoritmos? Eles estão na sua mão, nesse momento, em celulares, tablets e computadores. Esses são os hardwares; já os algoritmos estão dentro deles, nos softwares: na lógica do computador. Atualmente, eles já definem o conteúdo que você recebe nas redes sociais. Além disso, mostram qual seria o melhor conteúdo em um site específico para você, como uma sugestão de produtos ou filmes. Eles também estão no mercado financeiro, definindo qual melhor investimento. Na área jurídica, auxiliando o trabalho de advogados em suas defesas, processos e contratos. Até na Medicina os algoritmos tem auxiliado nos diagnósticos e prognósticos. 

Futuramente, ainda haverá grandes mudanças segundo a Ciência Quântica e da Computação, da Universidade Britânica de Heriot-Watt. A universidade está trabalhando na criação de computadores quânticos, máquinas que teriam uma capacidade enorme de processamento; portanto, uso de algoritmos que aprendem sozinhos, ou melhor, a inteligência artificial. 

No fim, quem já decide é o computador, o celular ou tablet. Não é à toa que Malena Contrera nos alerta para o termo “usuários” de aparelhos. Estamos dependentes. Vivemos com aparelhos que contam nossas atividades físicas e biológicas, e que mandam até a gente beber água em determinada hora. Já faz tempo que não pensamos e tiramos conclusões por nós mesmos, afinal, todo o conteúdo de notícias (seja fake news ou não) e das redes sociais, quando entregue para nós, já foi decidido pelos algoritmos. A cada dia estamos mais infantis e narcisistas por isso, afinal, não há diferença entre o que o algoritmo nos dá e o espelho d’água de Narciso. 

O grande problema nisso tudo é que, apesar do algoritmo ser logicamente correto, nós seres humanos não somos inteiramente lógicos; somos falhos e, no fim, não queremos ficar prontos para o trabalho às 8h; nós queremos mesmo é nos atrasar ou nem ir. 

*Leonardo Torres, 28 anos, Palestrante, Professor e Doutorando em Comunicação e Cultura Midiática.