Falta de energia atinge dezenas de bairros de Cotia

Com as fortes chuvas, bairros da região central de Cotia, da Granja Viana e de Caucaia do Alto ficaram sem energia, alguns por até 24 horas. Enquanto a ENEL diz que trabalha para solucionar o problema, o PROCON orienta sobre os direitos dos consumidores que sofreram com a falta de energia

802

Após a forte chuva desta segunda (25) e terça-feira (26), dezenas de bairros de Cotia ficaram sem energia elétrica. Parte da região da Granja Viana e do distrito de Caucaia do Alto também foram atingidos. A Enel (empresa responsável pela distribuição de energia na Região Metropolitana de SP) não deu informações sobre a previsão de retorno.
Em alguns bairros, o serviço foi restabelecido, mas em outros, a falta de fornecimento de energia já dura 24 horas. Serviços públicos, como a câmara e a prefeitura, também foram prejudicados. O Fórum de Cotia está fechado desde a tarde de ontem. Um aviso no local informa que prazos e expedientes estão suspensos nesta quarta-feira (27).
No grupo ‘Granja Viana: Problemas e Soluções’, no Facebook, a discussão tomou conta da página. Moradores estão inconformados com a demora para o serviço ser normalizado. “A Enel é pior que a Eletropaulo. Tenho casa aí na Granja e achava a Eletropaulo ruim. Mudei para Resende (RJ) e aqui é a Enel. Muito pior. Se os problemas com falta de luz aí já eram muitos, se preparem agora”, comentou Renata Mourão.
A única resposta à imprensa que a Enel forneceu foi que ‘após o temporal de ontem, que atingiu toda a área de concessão, a companhia reforçou em mais de 480% as equipes em campo’. Hoje, segundo a empresa, 3,9 mil técnicos estão atuando no restabelecimento de energia ‘para todos os clientes que tiveram o fornecimento afetado’.
A Circuito questionou a Enel, na tarde de hoje, sobre a previsão de retorno da energia nos bairros que ainda estão sem, mas até o momento, não houve resposta. Aos clientes que entraram em contato com a fornecedora, a resposta foi que ‘estamos em um dia crítico e todas as nossas equipes estão trabalhando para restabelecer os clientes sem energia’. No entanto, também não informou sobre o retorno do serviço.
O QUE FAZER?
Na falta de energia, é comum aparelhos elétricos queimarem e mercadorias alimentícias estragarem. Mas isso não significa que o consumidor deve arcar com o prejuízo. De acordo com a Fundação Procon-SP, no caso de perda de produtos que estavam guardados na geladeira, o consumidor pode solicitar o ressarcimento junto à concessionária.
Para isso, fotos da comida que estragou, nota fiscal dos produtos (se possuir) e a embalagem de remédio que perdeu a refrigeração podem facilitar a comprovação dos danos. “Caso a empresa se negue a efetuar o reembolso, o consumidor pode registrar reclamação junto ao Procon, desde que haja algum tipo de comprovação”, diz o Procon em nota.
Ainda segundo o Procon, em casos de eletrodomésticos e eletroeletrônicos queimados em função da queda ou descarga de energia elétrica, o consumidor deve registrar o fato junto aos canais disponibilizados pela concessionária para atendimento (internet, telefone, pessoalmente, etc.), no prazo de até 90 dias.
O Procon explica que a concessionária terá então dez dias corridos para inspecionar o equipamento danificado (um dia para equipamento utilizado para acondicionamento de alimentos perecíveis ou medicamentos), 15 dias para apresentar, por escrito, resposta ao pedido e 20 dias para providenciar o ressarcimento.
“A empresa deve informar ao consumidor a data e o horário aproximado da inspeção ou disponibilização do equipamento. Caso não ocorra essa vistoria, o prazo para resposta será de 15 dias contados da data da solicitação do ressarcimento”, esclarece.
Por fim, a fundação finaliza informando que o consumidor ‘não deve reparar o equipamento danificado, salvo nos casos em que houver autorização prévia e formal da concessionária, bem como impedir ou dificultar sua inspeção, pois poderá perder o direito à indenização.’
Por José Rossi Neto