Pela 3ª vez, grupo atendido por ONG da região participa do carnaval de SP

A Associação Despertar para o Próximo levou, pelo terceiro ano consecutivo, cerca de 200 pessoas para desfilarem no Sambódromo com a escola Tom Maior. A ONG atua há 13 anos na região de Caucaia do Alto, em Cotia

1016
Foto: Divulgação

Pelo terceiro ano consecutivo, a Associação Despertar para o Próximo, de Caucaia do Alto, levou para o Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, 200 pessoas atendidas pela ONG para desfilarem juntas com a escola Tom Maior, neste carnaval. Com a parceria há três anos, o desfile aconteceu na madrugada deste sábado (2).

A comunidade, assim chamada pela associação, participou das alas 9 e 10. A Tom Maior, que este ano ficou na 12ª posição, falou sobre as ‘interrogações do imaginário’. O enredo navegou pelos principais questionamentos do homem, como “de onde viemos?” e “para onde vamos?”. Além disso, abordou a curiosidade e sede de conhecimento na relação entre mundo e humanidade, passando do misticismo até as grandes invenções saídas da mente questionadora de grandes cientistas.

Por mais que o resultado não tenha sido satisfatório, o fato de as pessoas terem participado mais um ano do carnaval de São Paulo, já valeu a pena. O ganho que elas tiveram com esse momento, para o presidente da associação, Alberto Miranda, é imensurável.

“Não há como mensurar esse ganho. Você fazer parte de um grupo de canto da igreja, fazer parte de uma ala de uma escola ou de um teatro para fazer uma exibição, tudo isso sempre deixa ganhos. Agora, quais são os ganhos, não cabe a gente mensurar isso”, relata.

No ano passado, cerca de 300 pessoas da comunidade tiveram a oportunidade de desfilar no Sambódromo do Anhembi. Com o samba-enredo ‘O Brasil de Duas Imperatrizes’, a comunidade assistida pela Despertar participou das alas Arlequim e Dragões da Independência. Em 2018, a Tom Maior ficou em 4º lugar.

A Associação Despertar para o Próximo atua há 13 anos na região de Caucaia do Alto, em Cotia, e já atendeu mais de 2 mil pessoas nesse período. A ONG trabalha pela inclusão da população em situação de vulnerabilidade social por meio de ações artísticas e culturais, que promovam o desenvolvimento das potencialidades do cidadão e da comunidade.

Por José Rossi Neto