Carrefour vai destinar R$1 milhão para cuidados com animais em Osasco

Termo de Compromisso, assinado com o Ministério Público, foi devido à agressão cometida por um segurança, em sua loja da cidade, que resultou na morte de um cão de rua conhecido como Manchinha

336
Foto: Reprodução/Facebook

A rede de supermercado Carrefour terá de depositar R$ 1 milhão em um fundo, criado pelo município de Osasco, pela agressão cometida por um segurança, em sua loja da cidade, que resultou na morte de um cão de rua conhecido como Manchinha.

O valor foi estipulado em um Termo de Compromisso assinado com o Ministério Público nesta sexta-feira (15). A morte do cão, ocorrida em 28 de novembro, causou comoção nacional. Do valor total, R$ 500 mil serão destinados à esterilização de cães e gatos, por meio de castrações. Outros R$ 350 mil vão para a compra de medicamentos para animais do Hospital Municipal Veterinário – que inclusive tem o nome de Manchinha – ou que estejam no canil municipal.

E R$ 150 mil serão destinados à aquisição e entrega de rações para associações, ONGs e entidades que cuidam de animais na Osasco. O TAC também prevê multa diária de R$1 milhão por dia de atraso em caso de descumprimento do acordo. A fiscalização do cumprimento do acordo fica sob responsabilidade da Promotoria de Justiça. Em nota, divulgada pelo Portal G1, o Carrefour confirmou o acordo e afirmou que “implementa extenso plano de ação em prol da causa animal, estruturado com o apoio de diversas ONGs e entidades, com ações concretas em curso na cidade de Osasco e no país”.

O acordo, firmado pelo promotor de Justiça Gustavo Albano, agora será enviado ao Conselho Superior do Ministério Público para homologação. O segurança responsável pela agressão era funcionário de uma empresa terceirizada, contratada pelo rede. Ele foi denunciado à Justiça por crime de maus tratos aos animais, após ter confessado a agressão em depoimento à polícia. Mas ele negou intenção de matar Manchinha. A agressão foi feita com uma barra de ferro e o cão morreu em decorrência de hemorragia.  Manchinha vivia no estacionamento do supermercado e era cuidados e alimentado por funcionários e clientes.