Especialista fala sobre o fim dos likes no Instagram

"Os motivos que levaram a empresa a testar o fim dos likes na rede social tem a ver com deixar a plataforma mais leve e divertida e menos competitiva, principalmente entre os jovens", afirma Fabiano de Abreu

333
Ferramentas de interação são a base de qualquer rede social. Uma rede social se sustenta com a interação de seus usuários. Nos últimos anos, a figura dos influenciadores digitais foi uma das grandes responsáveis por proporcionar um aumento do interesse pelo conteúdo das redes. Agora com o novo teste do Instagram de omitir as chamadas “curtidas”, também conhecida como likes, muitas incertezas pairam sobre este segmento, os influencers.
O especialista em redes sociais e CEO da MF Press Global, Fabiano de Abreu, explica que os aspectos que levaram a esta mudança e as implicações para o futuro da plataforma tem como base estudos realizados pelo Facebook, que ainda não se manifestou quando as alterações devem entrar em vigor: “Os testes realizados pelo Facebook, que é o dono do Instagram, estão disponíveis apenas para usuários selecionados no Canadá. Não foi dito se esses testes realmente irão um dia corresponder a uma realidade para todos e nem tampouco se isso chegará ao Brasil. Tudo agora está no campo das possibilidades. Os motivos que levaram a empresa a testar o fim dos likes na rede social tem a ver com deixar a plataforma mais leve e divertida e menos competitiva, principalmente entre os jovens”.
Mas é o fim dos likes? Os likes realmente vão acabar na rede social? O especialista diz que não é bem assim: “Mark Zuckerberg disse que os “likes” deixarão de ser expostos ao público, mas cada usuário saberá exatamente quantas curtidas uma foto ou vídeo recebeu. Isso pode realmente ser muito benéfico para o usuário comum, tira a pressão da busca pela popularidade, mas a plataforma terá de buscar outros meios dos influenciadores mostrarem o quanto valem na rede social para as marcas”.
Segundo Fabiano de Abreu, esta nova possível realidade no Instagram e no Facebook evidenciará ainda mais a imprensa como selo de credibilidade e relevância: “Isso coloca a imprensa mais uma vez no maior patamar de importância e relevância. Pois não adianta apenas ter muita interação. A credibilidade é o carimbo dado pela imprensa para o personagem.”
O especialista aponta que isso pode sim ser benéfico para o usuário comum e inaugurar uma nova era de bom senso na rede social: “espero que isso torne as pessoas mais sociáveis e menos bloqueadas intelectualmente. Que o simples ‘bom dia’ de biquíni em uma lancha não seja mais importante que uma frase filosófica sobre a vida, a receita de uma boa comida ou qualquer ensinamento que agregue conhecimento”.