Itapevi enfrenta crise na coleta de lixo

Prefeitura chegou a decretar estado de emergência depois que a empresa responsável pelo serviço encerrou o contrato, alegando que a administração está com pagamentos em atraso. Diante do impasse, nova empresa foi contratada e deve normalizar a situação dentro do prazo de 20 dias

235
Foto: Reprodução

A Prefeitura de Itapevi decretou na semana passada estado de emergência depois que a única empresa de coleta de lixo da cidade encerrou o contrato, um ano antes do vencimento.

Em meio à crise, a Prefeitura conseguiu contratar, na sexta-feira (7), uma empresa para realizar o serviço, em um processo de chamamento emergencial. Os trabalhos foram iniciados neste sábado (8) e a expectativa, segundo a Prefeitura, é que os serviços voltem à normalidade em 20 dias.

A Secretaria de Serviços Urbanos alegou que a empresa Enob Ambiental, que prestava o serviço na cidade, não pagou direitos trabalhistas e que, por isso, a coleta estava em risco. Já a empresa disse que não honrou os compromissos porque a prefeitura está com pagamentos em atraso.

A Prefeitura de Itapevi chamou a paralisação dos serviços de ‘ilegal’, pois justifica que a empresa não pode paralisar ou encerrar os serviços antes do prazo de 90 dias que a administração municipal tem para pagar a nota fiscal de maio.

“Por isso, a paralisação ocorrida em Itapevi na presente data é absolutamente ilegal. A Prefeitura irá agir dentro da lei, buscando retomar os serviços o mais rápido possível para solucionar o transtorno”, disse em nota.

Por José Rossi Neto