ONG em Caucaia atende 250 pessoas com mais de 20 atividades gratuitas  

Os trabalhos desenvolvidos pela Despertar para o Próximo já acontecem há cinco anos. Durante esse tempo, a entidade já beneficiou mais de mil pessoas de Cotia, Caucaia e região

565
Foto: José Rossi Neto

O imóvel onde abrigava a antiga subprefeitura de Caucaia do Alto hoje se transformou em um local em que oferece mais de 20 atividades gratuitas, entre elas, artes marciais, cursos de idiomas e aulas voltadas ao campo cultural e gastronômico. Há cinco anos, a ONG Despertar para o Próximo vem crescendo e hoje atende 250 pessoas de diversas faixa-etárias.
A reportagem da Circuito foi até o local, nesta quarta-feira (12), e fez uma live (veja abaixo) com Alberto Miranda, um dos fundadores da ONG. Ao chegar no espaço, alunos do curso de introdução às técnicas de cabeleireiro estavam recebendo um certificado de conclusão.

A estrutura do local atende todas as necessidades de cada curso. As salas de aula, o pátio com equipamentos que são usados nas artes marciais, um palco com som, onde são realizados os eventos, e uma academia na parte superior do galpão.

As aulas acontecem de segunda a sexta-feira, em diversos horários. Aos sábados, os alunos têm curso de iniciação ao teatro e de iniciação ao cinema, além do procuradíssimo curso de libras. “É um curso que nos surpreendeu porque muitas professoras aqui da região estão participando”, disse Alberto.
Em sua fala, o responsável pela ONG destaca sempre a palavra voluntário. E não poderia ser diferente. Quase todos os professores que atuam na instituição fazem esse trabalho sem remuneração. “95% dos nossos cursos são executados por voluntários. São pessoas que se abdicam de determinado tempo e vem aqui ministrar cursos, realizar palestras e agraciar a população com os conhecimentos que elas têm”, explica.
Alberto ressalta que o propósito da ONG é introduzir na vida das pessoas o aprendizado que cada curso proporciona. “Aqui a gente dá uma noção para que a pessoa desenvolva aquela vocação para se profissionalizar lá fora”.
CARNAVAL
Alunos da ONG e outras pessoas da comunidade vão participar, pelo sexto ano consecutivo, do desfile da escola de samba Tom Maior, no carnaval do ano que vem. Essa parceria permite com que as pessoas vivenciem um momento diferente. Conduções são disponibilizadas pela ONG para levarem os alunos até o desfile.
Este ano, a comunidade participou das alas 9 e 10. A Tom Maior, que ficou na 12ª posição, falou sobre as ‘interrogações do imaginário’. O enredo navegou pelos principais questionamentos do homem, como “de onde viemos?” e “para onde vamos?”. Além disso, abordou a curiosidade e sede de conhecimento na relação entre mundo e humanidade, passando do misticismo até as grandes invenções saídas da mente questionadora de grandes cientistas.
Por mais que o resultado não tenha sido satisfatório, o fato de as pessoas terem participado mais um ano do carnaval de São Paulo, já valeu a pena. O ganho que elas tiveram com esse momento, para Alberto, é imensurável.
“Não há como mensurar esse ganho. Você fazer parte de um grupo de canto da igreja, fazer parte de uma ala de uma escola ou de um teatro para fazer uma exibição, tudo isso sempre deixa ganhos. Agora, quais são os ganhos, não cabe a gente mensurar isso”, relata.
Por José Rossi Neto