Por que o inverno quente é ruim?

Muita gente acha que um inverno "quente" é bom. Para quem não gosta do frio, de fato, o inverno sem frio intenso e prolongado é o mais desejado. Mas a falta do frio traz várias complicações

372

A perspectiva para o inverno de 2019 é de pouco frio no Brasil. Muita gente acha que um inverno “quente” é bom. Para quem não gosta do frio, de fato, o inverno sem frio intenso e prolongado é o mais desejado. Mas a falta do frio traz várias complicações. Entenda porque o inverno quente é ruim.

OS RESERVATÓRIOS DE ÁGUA DIMINUEM MAIS RAPIDAMENTE

Para começar a evaporação dos reservatórios aumenta. Estes meses do meio do ano são os com tempo mais aberto e ar mais seco na maior parte do Brasil.

Se junta a temperatura mais alta com o período de ar mais seco, os níveis das barragens diminuem. A situação é melhor do que a dos últimos anos, mas veja que as barragens nem estão tão cheias assim.

MANTÉM A POPULAÇÃO DE INSETOS MAIOR DO QUE SE ESTIVESSE FRIO

Os insetos são animais de “sangue frio”, ao contrário dos seres humanos a temperatura do corpo deles muda com a temperatura do ambiente.

Os insetos dependem da temperatura externa para se manterem ativos, ou seja, se alimentarem, se moverem e se reproduzirem. E a proliferação de algumas espécies é um grande problema para a humanidade.

o caso mais crítico no brasil é do Aedes aegypti, mosquito transmissor de muitas doenças “de verão”. quando o frio de verdade não vem, estes insetos têm um índice de reprodução maior o que mantém os índices de contaminação humana altos mesmo no inverno.

O AR FICA MAIS POLUÍDO

Para que a temperatura suba mesmo, as frentes frias têm que ser bloqueadas ao Sul do Brasil. Os dias “quentinhos” de céu azul indicam que o ar se move pouco.

Com isso a poluição de partículas fica retida perto das fontes, que podem ser as ruas cheias de carros, as queimadas intencionais ou naturais.

Também existe a poluição por ozônio, que combina a química dos combustíveis queimados e o tempo ensolarado.

O FOGO SE ESPALHA MAIS RAPIDAMENTE

Neste outono choveu mais que a média na maior parte do Brasil, o que fez com que os índices de queimada ficassem baixos. Isso foi até o dia 06 de junho, quando a massa de ar seco chegou e empurrou a nebulosidade para fora de Santa Catarina, do Paraná, das Regiões Sudeste, Centro-Oeste, do sul da Amazônia e do sertão nordestino. A estação de queimadas atrasou, mas com esta secura ela pode recomeçar ainda em junho.

 


Saiba mais

El Niño e a onda de frio
O inverno de 2019 continua até o dia 23 de setembro, mas o que se pode realmente chamar de frio já passou. Não há mais expectativa de outra onda de frio intensa como a de julho e nem no restante do inverno de 2019. Em agosto, a atmosfera vai esquentar e é a secura e o calor que vão ser manchetes no país.