Ação que Alimenta: Programa municipal beneficia 400 famílias carentes de Cotia

O programa estreou em fevereiro deste ano e a primeira edição teve duração de quatro meses. Neste período, as famílias foram acompanhadas por assistentes sociais e receberam o suporte e informações necessárias para deixarem a condição em que se encontravam no início do programa

167
Foto: Vagner Santos

O prefeito de Cotia, Rogério Franco, lançou na quarta-feira (10) a segunda edição do Programa Ação que Alimenta, que beneficia 400 famílias carentes do município.

O programa estreou em fevereiro deste ano e a primeira edição teve duração de quatro meses. Neste período, as famílias foram acompanhadas por assistentes sociais e receberam o suporte e informações necessárias para deixarem a condição em que se encontravam no início do programa.

Na segunda edição, apenas 141 famílias tiveram necessidade de continuar no programa e tiveram os seus cadastros renovados, as outras 259 assinaram com o programa pela primeira vez e receberão cesta básica e acompanhamento social pelo próximo quadriênio.

O prefeito comemorou o fato de 259 famílias não precisarem mais ser assistidas pelo programa. “Mais gratificante do que podermos proporcionar este programa na vida das pessoas é saber que a maioria não teve mais necessidade de voltar para ele, pois melhoraram a condição”, disse Rogério Franco.

A dona Dailma Ferreira, do Jd. Pioneiro, passou a ser incorporada pelo programa. Única responsável pelos três filhos, com idade entre três e dez anos, disse que esta ajuda veio em boa hora. “Uma assistente social visitou a minha casa, viu a condição e falou do programa. Fiquei muito feliz, preciso muito desta ajuda. Serão quatro meses mais tranquilos”, desabafou.

Morador do bairro Monte Santo, o senhor Adalgiso Ferreira dos Santos renovou com o programa. “Estou desempregado e o dinheiro dos bicos não é dá pra manter a casa com três filhos [sic]. Estou muito agradecido pela ajuda nestes meses, e tô feliz de saber que ainda serei ajudado [sic]”, afirmou.

As famílias beneficiadas foram definidas por assistentes sociais e coordenadores dos CRAS’s que listaram todos que enfrentam grande dificuldade financeira e com alto grau de vulnerabilidade social.