Estação Butantã recebe campanha para conscientização do câncer de pulmão

Ação, que acontece nesta terça-feira (23), contará com pulmão inflável gigante no acesso da estação da Linha 4 –Amarela de metrô, além de uma equipe de enfermeiros que orientará a população

248

Nesta terça-feira, 23, a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4 -Amarela de metrô de São Paulo, e o Instituto Lado a Lado pela Vida (LAL) realizam, das 10h às 15h, mobilização na estação Butantã, da Linha 4-Amarela de metrô, para conscientizar a população sobre os malefícios causados pelo cigarro.

Há dois anos, o LAL realiza a campanha Respire Agosto – mês de conscientização sobre câncer de pulmão, quando são elaboradas ações de impacto para convidar a população a cuidar do pulmão. Este ano, as ações para disseminação de informações começaram mais cedo, uma vez que a incidência da doença vem aumentando a cada ano entre indivíduos não fumantes. Estudos mostram que o hábito de fumar é um fator de risco para cerca de 50 doenças diferentes, sendo responsável por:

  • 85% das mortes por bronquite crônica e enfisema pulmonar;
  • 90% dos casos de câncer no pulmão;
  • 30% das mortes decorrentes de outros tipos de câncer (boca, laringe, faringe, esôfago, estômago, pâncreas, fígado, rim, bexiga, colo de útero, leucemia).

Para se ter uma ideia da gravidade desse hábito, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a incidência global do câncer de pulmão pode chegar a 1,8 milhão de novos casos por ano, sendo o tumor que mais mata no mundo, com 1,6 milhão de óbitos.

Por isso, a ação de conscientização do Instituto Lado a Lado pela Vida pretende impactar as pessoas ao instalar um pulmão inflável gigante no local, além de contar com a presença de uma equipe composta por três enfermeiros que abordará os passageiros, distribuindo folders informativos e orientando-os sobre o tema.

Sobre o câncer de pulmão

As causas da doença variam entre as pessoas, mas estão relacionadas ao tabagismo, estilo de vida, excesso de exposição à poluição do ar, histórico familiar e até mesmo fatores genéticos. O paciente que apresenta sintomas constantes, como tosse, falta de ar, dor no peito, cansaço e rouquidão, ou que tenha histórico familiar deve procurar um médico e solicitar o diagnóstico.

De acordo com Dr. Fernando Santini, oncologista e membro do comitê científico do Instituto Lado a Lado pela Vida, o rastreamento é indicado para indivíduos com risco elevado, ou seja, homens e mulheres com idade maior ou igual a 50 anos que tenham histórico elevado de tabagismo com ou sem fator de risco adicional.

“Consideramos o número de maços de cigarro fumados por dia multiplicado pelo número de anos de tabagismo. Por exemplo, 30 anos – maço equivale a 1 maço por dia por 30 anos ou 2 maços por dia por 15 anos”, explica o médico.

O exame indicado para rastrear tumores no pulmão é a Tomografia Computadorizada de Tórax, procedimento rápido, indolor, que não necessita de preparo e nem utiliza contraste oral ou endovenoso.

O diagnóstico precoce é o principal indicador para a escolha do tratamento e para o sucesso da terapêutica empregada, como explica ele. “Hoje, o paciente pode ser submetido à análise do genoma do tumor, que identificará o tipo e as terapias que se adequam ao caso. Os estágios iniciais apresentarão mais resultados positivos no combate ao tumor”.

Para tratar a doença, estão disponíveis no país terapias como: quimioterapia, radioterapia, cirurgia, remoção por radiofrequência, terapia-alvo e a imunoterapia. “A medicina de precisão avaliará qual é o tratamento certo para o paciente, de acordo com o estadiamento do câncer de pulmão, quando poderá apresentar resultados mais satisfatórios”, conclui o oncologista.

Serviço
Mobilização Câncer de Pulmão – Esquenta da Campanha Respire Agosto

Dia 23/7,

Das 10 às 15h

Estação Butantã (Av. Vital Brasil, n°427)