O Espaço Rio Branco – Cultura & Reflexão convida para o espetáculo para bebês e primeira infância “Linhas”, nova peça da Cia. Zin, que envolve teatro e dança. O elenco cria um espaço instigante que permite a expressão singular e criativa das crianças, que exploram os objetos em cena com movimentos livres e criam seus primeiros traços, suas primeiras linhas.
As atrizes constroem, com elementos estéticos, a história do desenvolvimento do desenho infantil, desde os primeiros traços, as primeiras garatujas, até a formação da figura humana. Garatuja é o nome dado aos primeiros rabiscos dos bebês e são muito importantes no processo de formação de um indivíduo, por representarem o início da expressão que levará ao desenvolvimento do desenho, da pintura e, também, da palavra escrita.
Elementos como bolas, bambolês, arames coloridos e fios de malha compõem o cenário que, ao final, se transforma em um grande cubo sensorial, um espaço em que os bebês podem explorar livremente todos os materiais presentes.
Serviço
O espetáculo acontece no dia 17 de agosto, na Unidade Granja Vianna, e no dia 31 de agosto, na Unidade Higienópolis. Saiba mais informações e garanta o seu ingresso: http://scup.it/lwgj.  O valor do ingresso é a doação de um brinquedo em bom estado ou item de material escolar para o Centro de Educação para Surdos Rio Branco.
 


 

Teatro para Bebês
O teatro para a primeira infância, ou teatro para bebês, surgiu na década de 80, mais expressivamente em países europeus como Bélgica e Espanha. Ano após ano essa vertente teatral dirigida a uma faixa etária de 0 a 3 anos (podendo estender-se até os 6 anos) toma corpo, ganhando espaço visível em festivais e gerando grupos de discussões. No Brasil, além de suas primeiras produções, já é possível observar um conjunto de discussões específicas e um repertório de experiências.
No entanto, mesmo com a sua expansão, quando falamos de criação teatral para bebês, a primeira questão que se apresenta está relacionada à capacidade cognitiva deles, ou seja, a inevitável pergunta: “E, afinal de contas, os bebês entendem a peça a que assistem?” Ao seu modo sim. Porque antes de tudo é preciso dissociar o que nós consideramos entendimento: é preciso ter em mente que os bebês têm um modo singular de perceber o mundo.
Uma peça pensada para a primeira infância leva em conta as fases de desenvolvimento da criança. Em resumo, segundo Piage, do nascimento aos 2 anos de idade, inicia-se a fase sensório-motora, na qual ela apreende as coisas do mundo por meio do corpo e das sensações causadas pelos objetos externos; logo depois se dá a fase pré-operatória, até os 7 anos, onde os conceitos começam a ser elaborados para a formação da subjetividade.