Setembro Verde chama atenção para inclusão social da pessoa com deficiência

Empresas e entidades públicos são convidadas a aderirem à campanha com luz verde em sinal de apoio à inclusão.

293

O mês de setembro além de marcar o início da Primavera, a estação da Flores, é também para chamar a atenção da população e de empresas sobre a importância da inclusão das pessoas com deficiência. Estamos falando do “Setembro Verde”, campanha que teve início em 2015 e foi instituída pela Federação das Apaes do Estado de São Paulo – FEAPAES-SP, em parceria com a Apae de Valinhos (SP) e tem como objetivo tornar o mês de setembro referência na luta pelos direitos e inclusão social da pessoa com deficiência. O mês foi escolhido por conta do dia nacional da Pessoa com Deficiência, celebrado em 21 de setembro.
O intuito é envolver a população em atividades voltadas para a inclusão social e dar visibilidade a causa da pessoa com deficiência.
Incluir a pessoa com deficiência intelectual na sociedade e no mercado de trabalho, é um dos objetivos da Apae de Cotia através de seus diversos programas. Entre os quais, destaque para o Programa de Apoio à Educação Inclusiva – PAEI, que atende crianças e adolescentes de sete a 15 anos e 11 meses da rede regular de ensino com dificuldade em aprendizagem. Também dá suporte e orientação aos atendidos, às famílias e às escolas visando sempre o melhor desenvolvimento e inclusão escolar e social.
Já o Programa de Educação Profissional está focado na qualificação da mão-de-obra da pessoa com deficiência intelectual para o empenho de uma tarefa, desenvolvendo por meio de atividades práticas com qualidade, quantidade e responsabilidade. E deste modo permite inserir o jovem com deficiência intelectual no mercado de trabalho.
“Conscientizar a população sobre a importância da inclusão social da pessoa com deficiência é o primeiro passo para construirmos uma sociedade, de fato, mais inclusiva e justa”, diz Cristiany de Castro, presidente da FEAPAES-SP. “Mesmo com uma legislação avançada, que garante cotas no mercado de trabalho e outros direitos, as pessoas com deficiência ainda enfrentam dificuldade no mercado, na educação e no acesso à saúde”, completou.
Para Rodrigo Lemes, Assistente Social da Apae de Cotia e coordenador do programa de educação profissional, inserir o deficiente no mercado de trabalho é um dos princípios da cidadania. “Ele também tem o direito a fazer tudo que uma pessoa que não tem deficiência faz, é respeitar essa pessoa com a sua diversidade”.
Inclusão no mercado de trabalho
De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) cerca de 24% dos brasileiros possuem algum tipo de deficiência. E apesar da importância e da obrigatoriedade legal, a inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho formal ainda é pequena, cerca de 1% dessa população.
Segundo a Lei de Cotas (Lei nº 8213/1991), se uma empresa tem entre 100 e 200 empregados, 2% das vagas devem ser garantidas a beneficiários reabilitados e pessoas com deficiência. A porcentagem varia de acordo com o número total de contratados, chegando a um máximo de 5% caso haja mais de 1.001 funcionários.
“As leis que regulam a acessibilidade no Brasil na teoria definem um sistema muito bom. Na letra da lei tudo é eficiente, mas na prática não funciona por falta de empenho da governança. Para a pessoa com deficiência, o direito à liberdade sem acessibilidade se torna uma prisão social!”, comentou Paulo Generoso, presidente da Apae de Cotia. “O Setembro Verde vem levantar essas questões gerando debates construtivos acerca da qualidade de vida de uma pessoa com deficiência”, finalizou.
Verde da Inclusão
Neste ano de 2019, o intuito é envolver a população em atividades voltadas à inclusão social e dar maior visibilidade a causa da pessoa com deficiência. Uma luz verde será acessa na Apae de Cotia durante todo o mês de setembro para marcar a campanha. Paulo Generoso disse que já encaminhou convites às prefeituras de Vargem Grande Paulista e Cotia para que também acendam uma luz verde em sinal de apoio à campanha. A Prefeitura de Cotia respondeu positivamente ao convite que também será enviado às empresas da cidade. Todos que acenderem a luz verde ou desenvolverem ações que incentivem a inclusão poderão enviar fotos para serem publicadas nas mídias oficiais da Apae.
Sobre a Apae de Cotia
A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Cotia – APAE Cotia é uma instituição filantrópica sem fins lucrativos que desde sua fundação em 30 de maio de 1989, vem lutando para que as pessoas com deficiência possam ter um espaço digno na sociedade.
Para manter suas atividades, a instituição conta com os recursos oriundos do setor privado e parcerias com os governos Municipal, Estadual e Federal, que são destinados para os serviços de atendimento à pessoa com deficiência intelectual, principalmente dos Municípios de Cotia e Vargem Grande Paulista.
Este movimento comunitário é considerado o maior do mundo em prol da pessoa com deficiência intelectual. As Apaes do Brasil são independentes, ou seja, os recursos de cada uma provêm somente de sua comunidade, não havendo ligação administrativa ou financeira entre elas, porém, todas são filiadas à Federação Nacional das Apaes.
Atualmente cerca de 300 pessoas, entre crianças, adolescentes e adultos são atendidos por uma equipe multidisciplinar em diversos programas e atividade entre os quais, Educação Especial, ambulatorial como o Programa de Estimulação Precoce – PEP, que atende crianças de zero a 6 anos de idade, o Programa de Educação Inclusiva – PEI, que atende crianças e adolescentes incluídos na rede regular de Ensino com dificuldade em aprendizagem e o Programa de Educação profissional que inclui adolescentes no mercado de trabalho. E por fim, destaque para o Programa de Fortalecimento de Vínculo que proporciona socialização e atividades pedagógicas para crianças e adolescentes moradores do entorno da Apae, que fica no bairro do Jardim Claudio, em Cotia.