Os municípios da região somam, juntos, 180 casos de sarampo. Os números foram atualizados nesta quarta-feira (4) pela Secretaria Estadual de Saúde.
Com 53 casos confirmados, a cidade de Osasco foi a que mais teve infecção do vírus. Na sequência, aparecem Barueri com 52 e Carapicuíba com 40. Santana de Parnaíba, Jandira, Cotia e Itapevi somam, juntas, 35 casos.
O número de casos em todo o Estado de São Paulo subiu 21% em apenas uma semana. São 2.982 registros, de acordo com a secretaria.
Na semana passada, foi confirmada a morte de três pessoas por complicações da doença, o que não acontecia no estado desde 1997. As vítimas foram um homem de 42 anos, que não tinha imunização, e dois bebês: um de 9 meses, da capital, e um de 4 meses, de Barueri.
A Circuito publicou, nesta semana, uma matéria relatando os dois últimos casos registrados em Cotia. Ambos aconteceram no bairro Cachoeira, que faz divisa com o município de Ibiúna. Dois homens, um de 30 anos e outro de 55, foram diagnosticados com o vírus. O segundo homem, J.S.P (a família pediu para a identidade ser preservada), ficou internado no Hospital Regional de Cotia até essa quarta-feira (4).
“Ele [J.S.P] teve alta ontem, está em casa se recuperando e tomando os remédios. Se sente um pouco fraco, porque o sarampo dá muita fraqueza. Ele ainda utiliza máscara, vai ter que ficar isolado ainda por um tempo”, disse uma sobrinha do rapaz.
De acordo com a Vigilância Epidemiológica, em Cotia já foram 158 casos de sarampo notificados até o dia 31 de agosto. Destes, sete foram descartados, quatro confirmados e o restante aguarda resultado de análise de exame.
Vacinação
O Programa Estadual de Imunização prevê que crianças e adultos, com idade entre um ano a 29 anos, devem ter pelo menos duas doses da vacina contra o sarampo. Acima desta faixa, até 59 anos, é preciso ter pelo menos uma dose. Não há indicação para pessoas com mais de 60 anos, pois esse público, segundo o estado, potencialmente teve contato com o vírus, no passado.
“Para vacinarmos todas as pessoas que procuram as UBS’s teríamos que receber um aporte maior de doses, o que não aconteceu até o momento, então, seguimos abastecendo as unidades para atender o público preconizado pelo Ministério da Saúde”, esclareceu Magno Sauter, secretário de Saúde de Cotia (Veja aqui matéria sobre o caso).
A mesma medida vale para todos os municípios da região.
Menores de 6 meses
O Ministério da Saúde informou que vai disponibilizar aos estados e ao Distrito Federal cápsulas de vitamina A para casos suspeitos de sarampo em crianças menores de seis meses de idade. Cada criança deve tomar duas doses da vitamina.
A orientação é que a primeira dose do medicamento seja dada assim que surgir a suspeita de sarampo. Para diminuir o risco de transmissão da doença, a segunda dose deverá ser aplicada no dia seguinte, em casa.
Doses extras
O Ministério da Saúde disse que destinou 1,6 milhão de doses extras da vacina tríplice viral a todos os estados, para garantir a dose extra contra o sarampo em todas as crianças de seis meses a 11 meses e 29 dias. “Só para os 13 estados que estão em situação de surto ativo de sarampo, vão ser destinadas, 960.907 mil doses”, disse o ministério. Desse total, 56% já foi enviado para o estado de São Paulo, que concentra 99% dos casos.
Além do envio das doses extras, o Ministério da Saúde informou, ainda, que adquiriu 28,7 milhões de doses adicionais de vacinas contra sarampo, que irão garantir o abastecimento do país até 2020.
Por José Rossi Neto