Em Cotia, desde o ano passado, a Lei Municipal 2178/2021 institui o dia 13 de setembro como o ‘Dia para a Voz e Visibilidade às Pessoas Desaparecidas’ e, na noite dessa terça-feira (13/09), a Prefeitura de Cotia, por meio da Secretaria de Direitos Humanos, Cidadania e da Mulher, realizou a 2ª edição do ‘Encontro Voz e Visibilidade às Pessoas Desaparecidas’, no Paço Municipal. Dezenas de pessoas acompanharam palestras que esclareceram e alertaram sobre as formas de desaparecimento: voluntário (a pessoa decide se afastar dos familiares); involuntário (motivado por lapsos de memória, doença psíquica, dependência química ou outros), e forçado (tráfico de pessoas e de órgãos, entre outros crimes).

A titular da pasta, a vice-prefeita Ângela Maluf, reforçou a importância de Cotia ter uma gestão que se importa com a causa do desaparecimento de pessoas e atua para dar luz a este problema. “Se este Governo [Rogério Franco] não apoiasse essa causa, nós não estaríamos aqui e este auditório estaria vazio”, disse. Depois de agradecer a presença do público que lotou o auditório, Ângela deixou um relato pessoal de sua mãe, que sofreu de Alzheimer por 10 anos e, por vezes, esteve desaparecida e foi encontrada graças a um colar de identificação que levava no pescoço. “É importante que todos tenham consigo o cartão do SUS, que é um documento que traz muitas informações e ajuda a localizar as pessoas em qualquer parte do país onde sejam encontradas”, destacou.

Entre os palestrantes estiveram Camila Lages, idealizadora do Movimento Voz e Visibilidade e filha de Marla Gadelha, desaparecida há 21 anos; Felipe Variedade, vereador e autor da Lei 2178/2021; Eliana Vendramini, promotora de justiça; Silvia Cursino, Presidente da Comissão da Mulher Advogada da OAB de Cotia; Luciana Santos, psicóloga titular da Delegacia da Mulher de Cotia; Dr. Gabriel Bolorini, médico de família e comunidade, pós graduado em psiquiatria pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo; e Fabricio Leiva, responsável pela Casa  Refúgio, que acolhe pessoas em situação de reabilitação da dependência química.

 

Artigo anteriorComplexo esportivo e educacional Arakan é inaugurado
Próximo artigoVargem Grande Paulista receberá seu primeiro hospital