A saudade, esse sentimento que todos já experimentaram e que poetas e escritores tratam em verso e prosa, ganhou um dia especial para ser comemorado: 30 de janeiro. O Dia da Saudade pode ser celebrado de forma positiva, ao lembrar de um tempo que passou que vai contribuir na construção de memórias dos bons momentos vividos.

Porém, como tratar desse sentimento com as crianças? Muitas vezes, com medo do sofrimento, a família tende a não permitir que os filhos experimentem sentimentos como esse. Entretanto, sentir saudades não precisa ser encarado como algo negativo, já que ajuda no desenvolvimento da identidade e na consolidação da personalidade.

Como trabalhar a saudade com as crianças?

Segundo a coordenadora da Educação Infantil do Colégio Marista Cascavel, Rafaelly Carvalho da Silva Molina, uma forma de ajudar as crianças a lidar com esse sentimento é estabelecer uma escuta atenta e ativa, permitindo que elas expressem e nomeiem seus sentimentos. “Uma sugestão é não ter medo de apresentar as situações para as crianças, porém se fazer presente nos momentos de mediação e na ajuda de tomada de decisões”, aconselha.

Um momento em que a saudade costuma surgir, e que preocupa muitas famílias, é o início do ano letivo. A mudança de escola, de sala de aula e de cidade, por exemplo, é um fator que pode desencadear saudades. “Esse sentimento é algo que estará presente na vida das crianças e deve ser vivido de forma tranquila, pois faz parte da aprendizagem”, ressalta Daniela Brocca, coordenadora do Ensino Fundamental do Colégio Marista São Luís, em Jaraguá do Sul (SC).

Neste momento, reforça Daniela, as crianças irão avaliar o novo espaço a partir das emoções e experiências que vivenciaram no ano anterior. Para superar essa etapa, é necessário estabelecer uma parceria com o colégio para acompanhar mais de perto todo o processo de adaptação com os novos colegas, a escola e professores.

“Os pais devem permitir que seu filho sinta saudades, pois assim a criança irá aprender a lidar com suas emoções”, sugere Daniela. Dar segurança, complementa Rafaelly é, antes de tudo, permitir que elas experimentem os sentimentos, possibilitando que criem conexões com sua imaginação e criatividade. “Dessa forma, terão recordações de superações e não de frustrações”, afirma.

Algumas dicas para ajudar o seu filho no momento em que sentir saudades:

– Agir de forma positiva e mostrar o lado bom da saudade, pois ela gera crescimento

– Reforçar as vantagens e as coisas boas que a criança poderá vivenciar

– Construir um ambiente no qual a criança se sinta segura, em que pode contar com os pais nos momentos de dificuldade

– Manter o contato com a escola. A parceria entre a escola e a família é essencial durante o processo de adaptação

– Conversar com a criança, pedir sua opinião e deixá-la confortável, pois todos passamos por mudanças durante a vida

– Conversar sobre a angústia, a ansiedade e o medo. É importante a criança entender que é natural sentir essas emoções e que é possível superá-las

– Estimular desde cedo a socialização, estimulando o desenvolvimento da independência e o seu crescimento

– Expor a verdade, sempre. Explicar sobre os reais motivos que levaram à troca de escola, de forma simples e de acordo com a idade da criança

– Acolher a possível tristeza do seu filho, perceber que os amigos são pessoas importantes na sua vida e que o contato permanecerá

– Permitir que a criança mantenha o contato com os amigos da escola antiga, podendo marcar reencontros