A advocacia paulista vai eleger a Diretoria Secional, conselheiros secionais e federais, além de diretores da Caixa de Assistência dos Advogados (CAASP) e Subseções da OAB/SP, para o triênio 2022/2024, no final de novembro. Em Cotia, 1.143 advogados devem ir às urnas para votar em uma das três chapas, lideradas por Ricardo Rodrigues, Ricardo Monteiro e Jorge Faria, que já se mobilizam em campanha.

Como de costume, a revista Circuito fará uma série de entrevistas com os candidatos à  futura gestão da subseção de Cotia da Ordem dos Advogados do Brasil. E o primeiro deles a bater um papo com nossa redação é Ricardo Monteiro, que lidera a chapa 2 cuja bandeira é Raiz e inovação, é possível.

Ele tem 40 anos e, há 15, mora em Cotia. É especialista em Direito Empresarial pela Escola Paulista da Magistratura do Tribunal de Justiça de São Paulo, formado em Contratos pela PUC-SP e em Recuperação de Empresas e Falência pela FGV Direito SP. Atua como palestrante da OAB/SP, com passagens pelo SECOVI e CRECI, e é conselheiro do Ciesp/Senai Cotia. Foi vice-presidente da ONG Cotiana Cenáculo da Paz Social, criada e presidida pelo saudoso Padre Pedro Bortolini.

Para ele, disputa de egos e vaidades não pode ter lugar na OAB e que é preciso a aproximação com a população. Afirma que vai batalhar por parcerias para que a OAB seja ágil e dinâmica. Nesta entrevista exclusiva, ele fala pela primeira vez de seus planos para uma futura gestão, revela o porquê deseja ser presidente e faz uma análise do papel da OAB.

Por que deseja ser presidente da OAB?
Nossa entidade é uma das que possui maior credibilidade perante a opinião pública, mas em Cotia penso que muito pouco se fez para justificar essa condição. Muito distanciamento da sociedade, da mídia e, principalmente, do advogado. Pouco se fez para auxiliar os colegas de Cotia durante a pandemia, mas o grupo político que está no comando local por quase uma década, sem feitos notáveis, ainda assim foi capaz de atribuir a uma mudança visual a pompa de reinauguração. A população ainda espera muito por atendimento e nada se pratica com vistas a descentralizar a presença da OAB Cotia em distritos, como Caucaia do Alto e Granja Viana. A população carente – que com suas demandas pode fomentar fortemente a advocacia local – pode e deve ser melhor atendida. Os pré-candidatos que se apresentam são todos oriundos dessa mesma situação política. Disputa de egos e vaidades não pode ter lugar em nossa entidade. Queremos e podemos mudar esse quadro. Nossa maturidade profissional corroborada pelo fato de que possuímos o valoroso apoio oficial do Presidente da Seccional paulista da OAB/SP, Dr. Caio Augusto Silva dos Santos, nos credencia a ter certeza de que seremos vencedores nesta eleição, lembrando que nos faltaram apenas 38 votos para a vitória na eleição anterior.

Como enxerga a OAB hoje? Quais são pontos fortes e em quais precisa melhorar?
A entidade se evidencia por sua história da luta pela sociedade. A credibilidade do passado ainda nos sustenta. Devemos nos aproximar mais da população. Não tem cabimento denúncias de maus tratos a jovens de periferia, abordados pela grande mídia, não serem acompanhados pela OAB Cotia. Temos que fomentar a credibilidade da entidade ou nem mesmo o peso da história será capaz de nos dar sustentação para o futuro.

Sendo eleito presidente, qual seria a sua primeira ação?
Debater as possibilidades de descentralização do atendimento à população carente. Vejam que um dos principais gargalos sociais gerados pela pandemia foi a dificuldade de acesso à Justiça. Estivesse a OAB mais próxima da população, mais demanda seria gerada para nós advogados e mais direitos seriam assegurados, especialmente para os mais necessitados. Essa demanda é a mais urgente de todas.

E o que manteria desta atual gestão que considerou importante?
Alguns eventos online.

Que tipo de ações pretende fazer para aproximar a OAB da comunidade?
Não podemos debater propostas nesta fase, mas descentralizar o atendimento é uma bandeira indiscutivelmente urgente. Vamos batalhar por parcerias para que a OAB seja ágil e dinâmica.

Como vê a relação da OAB com os poderes legislativo, executivo e judiciário?
Como disse, a OAB goza, por conta própria, de boa reputação com todos os poderes públicos. Noto, todavia, que a principal relação que a OAB Cotia não estimula é a com o próprio advogado. Se você não concordar com a atual gestão e expuser seu ponto de vista, as portas da entidade local se fecham. Temos casos de colegas que tiveram que transferir sua inscrição para Osasco, Barueri e Vargem Grande Paulista para poderem participar de comissões temáticas. É um absurdo!

A cidade de Cotia tem uma geografia bastante complicada e um transporte público que não atende a todos os bairros. Como garantir o acesso de moradores das regiões mais distantes a esses serviços relevantes?
A bandeira é a descentralização. Isso ajuda a comunidade e aumenta a demanda por serviços jurídicos.

Como se vê na OAB em 2024, quando supostamente teria vencido a eleição e estaria encerrando seu mandato?
Nosso foco é bem atender a população e fomentar o mercado de trabalho para os advogados. A missão do advogado é servir. Terei cumprido com a minha missão dessa forma, servindo.

Por Juliana Martins Machado

Artigo anteriorEm Cotia, 20 mil pessoas estão com a 2ª dose da vacina contra a Covid atrasad
Próximo artigoMilenna Saraiva escreve sobre a arte de Christo e Jeanne-Claude