Empoderamento feminino: moda plus size ganha cada vez mais força e mercado trabalha para entregar modelos para todos os tipos de corpos

A empresária e estilista ítalo-brasileira, Anne Garcia, fala sobre como a indústria da moda plus size está avançando

Você já foi em alguma loja de roupas e se sentiu constrangida por não ter uma peça na sua numeração? Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, divulgada em outubro de 2020 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 60,3% dos brasileiros com 18 anos ou mais, correspondendo a 96 milhões de pessoas, estavam acima do peso. Dentro desse grupo, 41,2 milhões (25,9% da população) eram obesos.

Durante muitos anos, as lojas de roupas não estavam preparadas para atenderem clientes acima do peso, pois tudo que se encontrava nas vitrines eram manequins com cinturas tamanho 36. Após muita luta e graças ao empoderamento feminino, essa realidade está mudando e atualmente as vitrines já contam com manequins maiores, o que é considerado um grande passo para a aceitação do corpo da forma como ele é.

Para a estilista e empresária ítalo-brasileira, Anne Garcia, considerada referência no setor, a moda plus size virou uma indústria com marcas, eventos próprios e modelos, o que é um grande avanço para a sociedade. “As mulheres sentiam vergonha de usar roupas que marcavam o corpo, pois o sobrepeso era visto como algo negativo. Hoje fico muito feliz quando vejo que a indústria está trabalhando para entregar roupas modernas e cheias de estilo. Afinal, todas possuem o direito de usarem a roupa que querem”, comenta Anne.

Segundo a estilista, outro passo importante são as lojas virtuais que também estão preparadas para entregarem roupas com numerações grandes para os consumidores. “Muitas pessoas enfrentavam dificuldades para comprarem roupas online porque quando as peças chegavam se surpreendiam com um GG menor do que o esperado, por exemplo. Com a disponibilidade dos guias de medidas, já é possível se basear e não ter decepções no momento da entrega”, explica a empresária.

Para Anne Garcia, não existe roupa certa para o corpo certo, basta a pessoa se sentir bem e confortável com o que está utilizando. “Algumas mulheres acham que precisam usar cores neutras e calças leggings para esconder o corpo, mas não é assim. Precisamos evidenciar o que há de melhor em nós. Por que não utilizar uma calça jeans jogger com um cropped estampado, complementando com um cinto e colar? Essa combinação, sem dúvida alguma, te deixará linda e completamente segura em relação ao seu corpo”, pontua a estilista.

Outra dica da estilista é explorar as estampas e modelos disponíveis no mercado. “Opte sempre por peças que valorizem o seu corpo ao invés de escondê-lo. Não tenha vergonha de ousar nos recortes e acessórios, pois isso complementará o seu look e te deixará ainda mais poderosa”, comenta Anne.
De acordo com a estilista, o mercado da moda deve seguir pensando e oferecendo opções para quem utiliza numerações grandes. Afinal, todos devem ter acesso ao que a indústria da moda disponibiliza. “O mercado já avançou muito em relação a moda plus size, mas esse é só o começo. Devemos continuar em cima para que todas as pessoas sejam pensadas durante as criações e lançamentos”, reflete.

Para Anne Garcia, o sobrepeso não deve ser motivo de vergonha ou constrangimento: “Lembre-se sempre: você é linda e poderosa, não é o seu peso que define quem você é. Por isso, curta a vida e não pense no que os outros estão achando sobre você. A felicidade e liberdade de ser quem é nunca sairá de moda!”, finaliza a empresária.
Artigo anteriorCabelos grisalhos: Confira 7 dicas para manter a saúde dos fios acinzentados
Próximo artigoMarcos Sá escreve sobre a acomodação