Recuperação do tônus facial, diminuição da acne e melhora em rugas, linhas de expressão e manchas. O procedimento de peeling é um dos mais tradicionais em clínicas de estéticas. Com o intuito de fazer uma limpeza e renovar as células por meio da descamação, o tratamento costuma ser realizado a base de químicos.

Pensando em diminuir o grau invasivo do peeling, a esteticista e cosmetóloga Daniela López criou um produto orgânico que realiza a mesma remoção de células envelhecidas, mas sem as desvantagens do processo tradicional. Segundo ela, os peelings comuns são realizados apenas no verão devido à alta sensibilidade da pele após o uso do produto, que tem a possibilidade de deixar manchas. Da mesma forma, não são todos os tipos de pele que se adaptam ao tratamento.

“No caso do peeling orgânico, a vantagem é que ele pode ser realizado em qualquer época do ano, trazendo o mesmo aspecto de pele firme, sem machas e hidratada. Além disso, ele se adapta a todos os tipos de pele devido sua característica hipoalérgica”, comenta.

Ao contrário dos métodos encontrados no mercado atualmente, o peeling orgânico guarda outra vantagem: o cliente pode escolher entre a descamação ou não da pele do rosto. “Uma das características do peeling químico é que os dias posteriores ao procedimento costumam afetar muito a autoestima, visto que ocorre uma troca de pele visível. Na versão orgânica, esse efeito colateral é opcional”, comenta.

Segundo a cosmetóloga, o fato do procedimento ser procurado, em grande maioria, por jovens com problemas de acne, torna a descamação uma questão que pode levar o paciente a não realizar o procedimento. As contraindicações quanto ao uso do produto são apenas para gestantes com menos de três meses de gestação.

Artigo anteriorSEAE lança projeto educacional para prevenção de mortes por desastres ambientais
Próximo artigoPrograma de ‘Educação no Trânsito’ para crianças e adolescentes é realizado em Cotia