O Governador João Doria anunciou, na última sexta-feira (7), a décima atualização do Plano São Paulo de enfrentamento ao coronavírus e reabertura gradual e faseada da economia. A sub-região Oeste da Grande São Paulo, formada pelos municípios de Barueri, Carapicuíba, Itapevi, Jandira, Osasco, Pirapora do Bom Jesus e Santana de Parnaíba, regrediu para a fase laranja .

Nesta fase, só é permitido o funcionamento com 20% da capacidade de público em escritórios em geral, imobiliárias, comércio de rua, shoppings e concessionárias. A abertura é restrita a quatro horas diárias, todos os dias, ou seis horas durante quatro dias e fechamento por três.

De acordo com o Estado, as sete cidades foram rebaixadas por conta do aumento do número de mortes e casos confirmados da Covid-19 na região. Esta área está com 57,2% da capacidade dos leitos ocupados. Já com relação à evolução da epidemia, os índices de variação são: novos casos em 1,43, internações em 1,07 e óbitos em 1,11.

“No caso da Região Oeste, nós tivemos um aumento de internações, de casos e de óbitos. De internações, o aumento foi de 7%; óbitos, 11%; e casos, 43%. O aumento de óbitos, que foi o principal ponto, fez com que a região retrocedesse para a fase laranja”, explicou a secretária estadual do Desenvolvimento Econômico, Patrícia Helen.

A notícia não foi bem recebida pelas cidades de Osasco, Barueri e Itapevi, que anunciaram no sábado (8) que não vão seguir a determinação do governo do estado e vão manter as regras de flexibilização da fase amarela.

O prefeito de Barueri, Rubens Furlan (PSDB), chegou até a postar um vídeo nas redes sociais falando sobre o assunto. “Aqui em Barueri nós vamos permanecer na cor amarela por decreto meu”, destacou.

Santana de Parnaíba e Pirapora do Bom Jesus devem decidir, hoje, se ficam ou não na fase laranja. Jandira afirmou que está com os indicadores da fase verde e que não espera regredir.

Já Carapicuíba ainda avalia os dados da saúde. Vale destacar que a cidade anunciou o encerramento das atividades do Hospital de Campanha. “Devido à queda da quantidade de pacientes internados por Covid-19, o Hospital de Campanha irá encerrar as atividades, retornando para o local, a partir do dia 31 de agosto, as especialidades médicas da Policlínica, após serviços de desinfecção e readequações”, declarou em nota.

Por Juliana Martins Machado