Dia Mundial da Oliveira

Saiba mais sobre a matéria prima do azeite

Hoje dia 26 de novembro, os governos e instituições de todo o mundo fazem uma homenagem à oliveira com uma mensagem simples e clara: escolha a oliveira para proteger nosso planeta e nossa saúde.

Este tributo, tem como objetivo destacar o papel da olivicultura no desenvolvimento econômico e social sustentável, mas também como uma arma fundamental na luta contra as alterações climáticas.

A oliveira, com as suas raízes no Mediterrâneo, é um símbolo universal de paz e harmonia. Crescendo em cinco continentes, as oliveiras fornecem empregos, segurança e recursos naturais para comunidades rurais em todo o mundo.

Como um agente contra o aquecimento global, as oliveiras têm um balanço de carbono positivo – retiram mais CO 2 da atmosfera do que o emitido durante o processo de produção do azeite.

O azeite de oliva e azeitonas de mesa são uma fonte comprovada de nutrição e ingredientes essenciais na dieta mediterrânea. Oferecem uma grande variedade de aromas e sabores e realçam uma cozinha única que já desperta o interesse de chefs de renome em todo o mundo. A capacidade de suas múltiplas propriedades saudáveis e nutricionais que contribuem  na prevenção de  algumas  doenças,  já  amplamente reconhecida.

Para Rita Bassi, presidente da Associação Brasileira de Produtores, Importadores e Comerciantes de Azeite de Oliveira (OLIVA) “fazer parte das celebrações mundiais deste dia é muito importante para nós enquanto entidade no Brasil. Nosso trabalho é conscientizar a população sobre a importância do consumo do azeite e seus benefícios”.

“Para além dos benefícios do azeite à saúde é sempre importante referenciar o impacto positivo para o meio ambiente em termos de biodiversidade” acrescenta Bassi.

A Oliveira

A origem da oliveira perde-se no tempo, coincidindo e confundindo-se com a expansão das civilizações mediterrânicas que durante séculos governaram o destino da humanidade e deixaram a sua marca na cultura ocidental.

  • Resistente à falta de água;
  • Entra em produção a partir do 4º ou 5º ano, após a plantação;
  • Produz em média de 40 a 60 Kg de azeitonas anos, que representa cerca de 6 a 10 litros de azeite.

Como se produz o azeite de oliva?

O azeite de oliva é o suco natural da azeitona. É predominantemente formado por triglicéridos, glicerol e ácidos graxos, na sua maioria insaturados. Predomina o ácido oleico (monoinsaturado) e em quantidades moderadas os ácidos linoleicos e linolênicos. Em pequenas quantidades estão presentes ácidos graxos saturados. A outra fração do azeite é formada por componentes menores como são os tocoferóis (nomeadamente o α-tocoferol percursor da vitamina E), polifenóis, esteróis (β-sitosterol), hidrocarbunetos (escualeno percursor da síntese de colesterol e β-caroteno percursor da vitamina A), outras vitaminas, pigmentos (clorofilas, carotenos), voláteis, etc.

O processo do azeite começa com a colheita da azeitona das oliveiras (as oliveiras têm preferência por um clima seco e quente, além de muita luminosidade. Podem viver centenas de anos – ou até milênios);

Após a colheita, as azeitonas são lavadas e vão para o processo de moagem. As azeitonas são trituradas, formando uma pasta oleosa;

Damos início à extração do azeite. Em processos físicos, sem solventes ou o uso de conservantes. Nos processos mais antigos o azeite era feito em lagares com moinhos de pedra, atualmente existem processos mais modernos de se extrair o azeite como o método de centrifugação, que continua sendo um método de extração a frio.

Após este processo, o azeite é classificado:

– Azeite Extravirgem: Mediana dos defeitos = 0

Mediana do frutado > 0

Acidez   ≤ 0,8

– Azeite Virgem: Mediana dos defeitos ≤ 3,5

Mediana do frutado > 0

Acidez ≤ 2,0

– Azeite Tipo Único: Mediana de defeito: Não definida

Mediana o Frutado: Não tem que ser frutado

Acidez: ≤ 1,0

Ainda, existem outros fatores que interferem nas características dos azeites, como por exemplo:

  • Variedade da oliveira;
  • Solo em que está plantada;
  • Irrigação;
  • Grau de maturação da azeitona e saúde da mesma;
  • Forma da colheita;
  • Transporte das azeitonas e seu armazenamento.

Benefícios à saúde associados ao consumo de azeite de oliva

Diversos estudos realizados comprovam que consumir cerca de duas colheres de sopa diárias de azeite traz algumas vantagens ao corpo humano.

O controle de colesterol é um dos benefícios que o consumo do azeite proporciona. Por ser uma fonte gordura insaturada, o azeite de oliva é um forte aliado no combate à problemas cardiovasculares, já que, além de reduzir o nível de colesterol ruim, ele aumenta o colesterol bom (HDL), que ajuda a evitar o infarto do miocárdio.

Outra vantagem é a prevenção de diabetes, pois, além de reduzir o colesterol ruim, o azeite de oliva auxilia no controle do nível de glicose e triglicérides no organismo, sendo um importante aliado na prevenção de diabetes. Contém, inclusive, outros elementos (como o ômega-3) que pode inibirem o crescimento de células cancerígenas e o ataque de radicais livres ao DNA, reduzindo possíveis mutações celulares.

Ele é também rico em vitaminas A, D, E e K, o que contribui para a prevenção de doenças e faz dele um poderoso antioxidante e analgésico, além de estar presente na dieta de quem deseja ficar mais forte de forma saudável, já que ele auxilia no ganho de massa muscular por possuir uma alta densidade energética, sendo também um importante aliado na perda de peso.

Associação Oliva 

A Associação Brasileira de Produtores, Importadores e Comerciantes de Azeite de Oliveira – OLIVA foi fundada em 2001. Uma sociedade civil, sem fins lucrativos, de âmbito nacional, congregando produtores, importadores, distribuidores, comerciantes e entidades interessadas no desenvolvimento da categoria no Brasil.

Somos associados ao COI – Conselho Oleícola Internacional, órgão subordinado à Organização das Nações Unidas – ONU. Fundado em 1956 e sediado em Madrid, na Espanha, está encarregado de gerir o Convênio Internacional de Azeite de Oliva, onde são formuladas as grandes linhas de ação destinadas à manutenção e desenvolvimento da oleicultura mundial, além de medidas normativas para preservar a autenticidade do produto.

Através de atividades como palestras, workshops, campanhas, divulgações nas nossas plataformas digitais e etc., visamos a preservação e a autenticidade deste alimento tão rico, onde buscamos sempre trabalhar as informações relevantes que convergem com nossos objetivos que são:

  • Congregar empresas e entidades ligadas à produção e comercialização de azeite de oliva no Brasil;
  • Implementar programa de controle da pureza dos azeites de oliva no Brasil;
  • Divulgar o azeite de oliva e seus benefícios nutricionais;
  • Colaborar com o Poder Público;
  • Preservar a imagem do azeite de oliva junto dos consumidores;
  • Combater a fraude e a falsificação do azeite de oliva no Brasil.

No Brasil, categoria de azeite cresce 20% YTD vs mesmo período do ano passado.

http://www.oliva.org.br/

https://www.internationaloliveoil.org/

Artigo anteriorAlexandre Frota apresenta PL que aumenta pena contra crimes cometidos contra a imprensa
Próximo artigoHopi Hari promove atração natalina com foco no terror