Rio Pinheiros: lixo removido vai de garrafa pet a manequim de roupas femininas

Os trabalhos de remoção de lixo do programa “Novo Rio Pinheiros”, do Governo de São Paulo, já retiraram do fundo dos 25 quilômetros do canal mais de 35 mil toneladas de sujeira. Entre os objetos mais encontrados estão garrafas pets, pneus e sacolas plásticas, entre outros.

No entanto, desde que a remoção do programa teve início, em 2019, funcionários da EMAE responsáveis pelo serviço, já encontraram nos barcos coletores desde manequim de roupas femininas até vassoura, rodos e brinquedos infantis. Todo o lixo removido pelo é descartado corretamente em aterros sanitários.

O Marinheiro Auxiliar de Convés Caio Rodrigues Guedes, que faz o trabalho de retirada da sujeira, conta que diariamente o que mais encontra no trabalho são garrafas pets que chegam a entupir a grade de remoção. Ele detalha os objetos curiosos que já foram recolhidos durante a operação: “Já vimos de tudo um pouco: patinetes, bolsas, bicicletas, sofás e até colchões que ficam muito pesados dentro da água e dificultam a retirada”, explicou.

O lixo que polui o rio chega através de córregos espalhados por várias regiões da capital paulista que deságuam no Pinheiros: são objetos que a própria população descarta nesses córregos e também nas ruas, já que a sujeira desce para os bueiros e corre em direção ao rio. Além do trabalho de remoção, o Governo de São Paulo tem promovido ações de conscientização sobre o descarte correto desses resíduos: são peças publicitárias e conversas com moradores que moram próximos a córregos.

Já o esgoto, que também polui o Pinheiros, está sendo tratado pela Sabesp em uma grande ação de saneamento básico que prevê a ligação de mais de meio milhão de imóveis à rede coletora.  Mais de 3 milhões de pessoas estão sendo beneficiadas. Em dois anos de trabalho, já foram ligados 271 mil residências e todo o resíduo orgânico desses locais  já não chegam mais ao rio.

O  Rio Pinheiros estará despoluído até 2022. Por ser um rio urbano, a água não será potável, no entanto, com o projeto de despoluição concluído, haverá a melhora do odor existente, abrigo de vida aquática e, principalmente, a volta da população às suas margens através também da recuperação ambiental e paisagística do seu entorno.

Artigo anteriorFazenda disponibiliza mais um serviço on-line para contribuinte de Cotia
Próximo artigoGranja Viana se despede de Felipe Paltronieri