9 de janeiro de 1822: Dia do Fico

Todo mundo sabe que a independência do Brasil é celebrada no dia 7 de setembro. No entanto, em 9 de janeiro de 1822, um importante fato foi crucial para que este caminho fosse pavimentado. Professor de História mostra o que de importante aconteceu naquele dia.

Não é possível falar da história do Brasil sem lembrar de um fato importante que aconteceu no dia 9 de janeiro de 1822. Naquele dia, Dom Pedro I se recusou a retornar para Portugal e dar continuidade no processo de colonização brasileiro. Aquele momento se tornou conhecido como o “Dia do Fico”.

É importante observar que Dom Pedro I foi muito pressionado pela família real a retornar para Portugal, e ao mesmo tempo pelas elites brasileiras. Conforme lembra o professor de História, Ueldison Alves de Azevedo, “esse foi o período que o analfabetismo estava em alta e apenas as elites agrárias tinha estudos. Logicamente, ela apoiava a iniciativa de um Brasil independente, principalmente os pernambucanos, que antes mesmo do processo de independência começar no território brasileiro, a denominada confederação do Equador. Formada por um grupo de republicanos, defendia a mudança do governo nacional”, conta.

Aliás, o professor de História destaca um erro ao se contar este fato marcante: “É muito equivocado falar no campo da historiografia que Dom Pedro ficou para agradar a massa. Isso nunca foi verdade, o interesse dele foi fazer a vontade de uma pequena quantidade de pessoas ricas que tinha ideais políticos definidos”.

Ainda assim, Ueldison ressalta que é sempre importante lembrar que por mais os interesses particulares estiveram envolvidos, “essa decisão do imperador é de muita importância para colocar o Brasil no caminho da identidade nacional. Pela primeira vez, temos um governo nosso, apesar de ser o único império dentre as repúblicas da América latina”.

A partir do “Dia do Fico”, Dom Pedro I assume um poder sem igual, conforme fica destacado quando foi promulgada a constituição de 1824. “Esse documento é o fruto dessa iniciativa e do apoio a Dom Pedro I, pois ela traz os princípios do iluminista Barão de Montesquieu, o qual defendia que um Estado deveria ser dividido em três poderes, judiciário, legislativo e executivo. Porém, o imperador ainda criou o quarto poder, chamado de moderador”.

E que poder era esse? O professor de História apresenta: “Em poucas palavras, o moderador centraliza todo o poder nas mãos do imperador. Até a igreja teve dedo de mudanças através do império”.

Outro detalhe importante do governo imperial, consenso entre historiadores, reforça Ueldison, é que, “apesar de termos um governo déspota, absolutista, este foi o primeiro que trouxe uma identidade política ao nosso país. Com ele tivemos símbolos de riquezas nacionais como o nosso próprio tesouro, que durante muito tempo ficou no Estado do Rio de Janeiro no Palácio da Quinta do Boa Vista, sendo que lá era a sede do governo imperial”.

Além disso, Ueldison Azevedo reforça que “devemos olhar o quanto o Dia do Fico foi importante para nossa formação como sociedade, ainda que de maneira tardia no século XIX”, completa.

Artigo anteriorRegião segue na fase amarela
Próximo artigoAbertas as inscrições para oficinas culturais e artísticas de janeiro e fevereiro