O canal Travel Box Brazil estreou a segunda temporada da série As Aventuras do Richard, que exibe expedições protagonizadas pelo biólogo Richard Rasmussen apresentando a fauna e a flora de vários lugares do mundo. O programa vai ao ar, às segundas, às 22h30, com reprises às quartas (4h30), quintas (10h30) e sextas-feiras (16h30).

No Espírito Santo, o biólogo visita o Monumento Nacional Serra das Torres, local apontado por ele como tendo um grande potencial para o ecoturismo, apesar da falta de infraestrutura. Lá, Richard acompanha a realização de trabalhos para o levantamento das espécies de répteis e anfíbios (Herpetofauna) da região. Já em Minas Gerais o biólogo fica cara a cara com Lobos-Guarás na Serra do Caraça e, neste mesmo local, ele explica como manejar e prevenir acidentes com aranhas e serpentes peçonhentas.

Após a passagem pelo Sudeste, Richard viaja para Belém, realizando um tour pelos parques e atrações naturais da capital paraense e seus arredores. Ele mostra aos telespectadores o processo de beneficiamento do cacau, que é uma das primeiras etapas da produção do chocolate, e explora algumas das maravilhas culinárias daquele lugar. Ainda em Belém, a equipe do programa visita o Museu Botânico Emilio Goeldi e um criadouro de serpentes especializado em extração de toxinas para criação de soros e medicamentos. Na Bahia, o Projeto TAMAR e a exibição da luta pela preservação das espécies de tartarugas marinhas ameaçadas de extinção encerram a passagem do programa pelo Brasil.

Nos cinco últimos episódios, o estado do Texas, nos Estados Unidos, é um dos destinos internacionais pelos quais Richard passa durante a temporada. Ali foi gravada a inusitada história de um casal excêntrico que cria um bisão americano como um animal de estimação. A temporada é encerrada em Madagascar, viagem com a qual Rasmussen sonhava desde criança. Isso porque a região possui fauna que se desenvolveu de forma única, repleta de animais exóticos que chamam a atenção de biólogos e ambientalistas do mundo todo.

Relembrando
Richard Rasmussem foi nossa capa em duas ocasiões: em abril de 2006 e em fevereiro de 2015.  Em ambas as oportunidades, ele falou sobre a Granja Viana e sua relação com os animais. Uma de suas frases mais marcantes foi:  “há lugares que dá vontade de chorar em ver a devastação e a existência de verdadeiros lixões em lugares lindos. Mas, procuramos mostrar o que há de maravilhoso na natureza. Queremos fazer o trabalho inverso. Em vez de dizer: “Olha como está feio aqui! Tem que preservar”, falar: “Olha como é lindo, vamos preservar!”. É isto que a gente tem feito em nossas matérias, mostrar o lado positivo. Ninguém aguenta mais ver morte e destruição…”.
E quando lançamos a campanha #oultimocanudo, o biólogo granjeiro foi um apoiador de nossa causa. “Uma campanha mundial que combate o uso do plástico no dia adia está tomando volume em todo o planeta. Estudos apontam que, em 50 anos, o peso do plástico nos oceanos será superior ao peso dos peixes que ali vivem. A iniciativa de nossa querida REVISTA CIRCUITO, junto às autoridades municipais de Cotia, para a proibição dos canudos de plástico, mostra que, sim, é possível, a partir de pequenos núcleos, realizar grandes transformações. Parabéns, CIRCUITO, vocês nos orgulham. Parabéns, Cotia, por ser uma das primeiras cidades no Planeta a adotar esta medida moderna de conservação”, declarou na época.

Por Juliana Martins Machado, com informações do canal Travel Box Brazil