Bacon realmente provoca câncer?

A carne processada, que acaba de entrar para a lista negra do câncer, faz parte da dieta da maioria dos brasileiros. No café da manhã ou no lanche da tarde, por exemplo, muitos adoram um pãozinho com presunto, mas, com o comunicado da Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC), as pessoas passaram a ficar mais alertas sobre o mal que esse tipo de alimento pode causar a saúde. Veja como se cuidar a partir dos riscos cada vez mais evidentes desses mantimentos.

As carnes processadas são feitas a partir de restos de boi, porco, frango e peru. Elas são alteradas a partir de seu estado original, sendo submetidas, por exemplo, a moagem, adição de ingredientes e aditivos, cozimento, defumação, entre outros processos que mudam a aparência, textura e sabor, aumentando, assim, a “vida de prateleira” das mesmas. São elas: salsicha, presunto, bacon, toucinho, linguiça, carne enlatada, entre outras.

A IARC classificou a carne processada como um alimento que tem o poder de causar câncer colorretal. A agência afirma ainda que, a cada porção de 50 gramas consumidas diariamente (o equivalente a duas fatias de bacon, por exemplo) aumenta o risco desse tipo de doença em 18%. Mas, antes mesmo da divulgação deste estudo, sempre classificamos esses mantimentos como “sabotadores” da saúde e do emagrecimento porque também são ricos em sódio e gordura.

Mas, assim como indico para os seguidores do meu programa Vida Funcional, é possível ter um “day off”. A própria IARC aconselha: o que deve haver é uma moderação no consumo. Por isso, não é preciso excluir totalmente a carne processada da dieta. O importante é haver parcimônia. Procure optar por esse tipo de ingrediente no dia livre de cada semana. Essa atitude já é um grande passo para não causar danos à saúde.

Ter uma alimentação saudável e equilibrada é de fundamental importância para ter uma vida longa e feliz e é por isso que, antes de tudo, a proposta é promover uma reeducação alimentar. Aliada à prática de exercícios funcionais, exerce um papel essencial na qualidade de vida.

Por Andréa Santa Rosa Garcia é nutricionista com foco em Nutrição Funcional, que tem como base não apenas a contagem de calorias, mas o que o corpo realmente precisa.

Artigo anteriorNatal em meio à turbulência política e crise econômica
Próximo artigoÓcio improdutivo