Campeão das figurinhas

Se completar álbum de figurinhas da Copa do Mundo rendesse título, é bem provável que o cotiano Fabio Alves dos Santos estaria indo para o seu 12º título. Sua coleção vem desde 1978, com todos os álbuns completos. O de 2022, por exemplo, foi preenchido em apenas 3 semanas. E, agora, insere o filho Pietro nesta paixão. Em entrevista à nossa equipe, ele revela dicas para quem está colecionando, lista os locais em que há trocas de figurinhas por Cotia e fala de suas outras coleções, que incluem outros álbuns de futebol e os mini-craques da Coca-Cola da Copa de 1998 e 2014.

Se completar álbum de figurinhas da Copa do Mundo rendesse título, é bem provável que o cotiano Fabio Alves dos Santos estaria indo para o seu 12º título. Sua coleção vem desde 1978. “Os álbuns de figurinhas, em geral, comecei aos 10 anos. O primeiro foi Thundercats em 1987 e os de futebol, a partir da Copa de 1990”, conta.

Ele tem, aproximadamente, 100 álbuns completos e em estado de colecionador. E, sim, todos de futebol! Como os guarda? “Em uma caixa organizadora plástica, dentro de sacos plásticos transparentes 30×40, para não terem contato com poeira e umidade”, ensina.

O de 2022, por exemplo, foi preenchido em apenas 3 semanas. E, agora, insere o filho Pietro nesta paixão. “Sim, este ano fiz questão de colocá-lo para participar, pois nas outras Copas ele era muito pequeno. Desta vez, foi ele quem colou todas as figurinhas, mas claro, com cuidado de colecionador, pois figurinhas amassadas e tortas desvalorizam o álbum no mercado”, revela.

De todo esse tempo colecionando, curiosidades e fatos inusitados já aconteceram. “Na Copa de 2014, a editora cometeu um grave erro de impressão, colocando o jogador da Colômbia na época, Eder Balanta, com a foto de outro jogador, obrigando a editora a enviar a figurinha correta gratuitamente para o cliente”, conta. Em 2014, ele foi trocar figurinhas com o pé recém-operado e de muletas. “Um transtorno, mas foi divertido”, lembra.

E aliás, foi o próprio Fábio quem trouxe a cultura da troca para a região. Ele costumava ir ao vão do Masp, onde “havia uma quantidade bacana de pessoas e, assim, completar o álbum era bem mais rápido”. Porém, percebendo o interesse das pessoas daqui, ele decidiu entrar em contato com os donos de bancas de revista e organizar os eventos em Cotia. “O dono de banca se encarregava de manter o estoque de figurinhas e eu entrava com a divulgação e organização. E aí foi se espalhando naturalmente”, lembra. Hoje, diversos pontos estão espalhados pela cidade (veja alguns locais abaixo).

Como um especialista no tema, Fabio compartilha dicas valiosas para quem está colecionando fazer ótimas jogadas, ops, trocas. “Vá ao máximo de encontros de troca de figurinhas que conseguir. Não levar o álbum e conferir as figurinhas repetidas nele, pois isso demora muito no processo de troca. Leve sempre uma lista de figurinhas repetidas e faltantes, ou uma tabelinha impressa. Ir em mais de um encontro e pegar alguns contatos, assim você já realiza a troca antes e entrega no dia do evento. Isso agiliza bastante”, ensina.

Separar as brilhantes das consideradas normais (jogadores e estádios) também é outra dica: “assim, você consegue focar em pegar todas as brilhantes, já que no montante total do álbum a quantidade delas são menores. Mas lembrando que ela por ser brilhantes, não quer dizer que são mais raras que as outras. É só uma questão de organização”.

E como encontrar figurinhas premiadas? “As figurinhas extras são distribuídas pela editora de acordo com o número de pacotes. Por exemplo, a cada 100 pacotes distribuídos, vem uma bronze e, a cada mil, uma ouro. Então, ou você compra uma caixa fechada com 1000 pacotes, o que para muitos não é viável, ou tem que ser na sorte mesmo”, explica. Com diversos vídeos circulando na Internet ensinando a pesar o pacotinho, Fábio diz que a informação procede: “como os pacotinhos por padrão tem 5 figurinhas, quando vem a extra, consequentemente ele vai pesar mais”. Mas e aí: quem vai levar uma balança na hora de comprar os pacotinhos?

Neste ano, o álbum veio com uma novidade: pela primeira vez no Brasil, temos as figurinhas promocionais da Coca Cola. “Inicialmente, isso só acontecia no México e Europa”, ressalta Fábio. Consegui-las não é tão difícil, ele explica: “elas virão atrás dos rótulos da Coca Cola, somente nas sem açúcar de 1,25 LT,1,5LT e 2LT. Os rótulos também são diferenciados. Na frente, atrás da logomarca, uma imagem de uma bola e na lateral da garrafa a logomarca da Panini com um jogador”.

Pietro com a coleção de mini craques copa 1998

Colecionar é com ele mesmo. Além de álbuns, ele tem a coleção dos mini-craques da Coca-Cola da Copa de 1998 e 2014 e vai além de futebol. “Tenho uma coleção de Blu ray e DVDS. Cinema é uma outra paixão que tenho”, conta. Com tantas relíquias, já recebeu alguma proposta para venda da coleção? “Proposta para vender eu não tive ainda, mas o mercado é bastante aquecido. Por exemplo, um álbum da copa de 1978 completo em bom estado, você vende fácil por R$ 3.500 a R$ 4.000 reais. E um pacotinho fechado deste álbum gira em torno de R$ 800”, responde.

Ou seja, é uma diversão que ainda pode gerar lucro no futuro. Fabio já pensa na continuidade de sua soberania nas figurinhas e está treinando o filho. “O Pietro já tem seus álbuns e, no futuro, passarei toda minha coleção para ele. Gostaria muito que ele desse continuidade”, finaliza.

Pontos de Trocas

  • Banca Caucaia (Av, Roque Celestino Pires, 1.202 – Caucaia do Alto, em frente ao Terminal de Ônibus) – todo sábado, às 13h
  • Open Mall The Square (Rodovia Raposo Tavares, Km 22) – a partir das 14h
  • Banca Informativa (Av. Nossa Senhora de Fátima, 321 – Centro – Cotia/SP) – domingos, a partir das 9h
  • Shopping Granja Vianna

Por Juliana Martins Machado

Artigo anteriorMilenna Saraiva escreve sobre a obra do autor de “Independência ou Morte!”
Próximo artigoFutebol: fim de semana de definição da 3ª divisão e das categorias Veterano 40+ e Veteraníssimo 50+