Graças a Deus, há uma tendência de vinhos com menores teores alcoólicos. Inclusive no início do ano, a revista inglesa Decanter, trouxe uma matéria sobre vinhos com menor teor alcoólico, pegando carona no “Dry January” (janeiro seco, em português), o que significa “janeiro sem álcool”, campanha adotada no Reino Unido com algum sucesso e, meio que rejeitada na França.

Alguns vinhos, como os das frias regiões da Alemanha e os produzidos na região dos Vinhos Verdes, em Portugal, têm teor alcoólico baixo. Por outro lado, muitos enólogos têm buscado produzir vinhos menos alcóolicos, visando o frescor e a elegância. Para isso, é necessário um trabalho rigoroso nos vinhedos, acompanhando bem de perto o ponto de maturação da uva (uvas muito maduras geram vinhos mais alcoólicos).

Altos teores alcoólicos, como 14% ou até 15%, não são defeitos do vinho. Na verdade, existe uma questão de estilo e, às vezes, de falta de opção. Vinhos produzidos em regiões mais quentes tendem a ser mais alcoólicos e nem por isso deixam de ser excelentes.

Prem1um Wines do meu Amigo Orlando Rodrigues e seu filho Augusto, me enviaram uma lista de vinhos com teores baixos de álcool e por tanto mais frescos. Veja:

• Quinta de Linhares Vinho Verde DR Escolha – 11,6% – produzido na região dos Vinhos Verdes, em Portugal, é frutado, cítrico, com notas florais. No paladar é macio, com agradável frescor. Ótimo para aperitivos, especialmente à base de peixes e frutos do mar. – R$ 93,74

• Dona Paterna Alvarinho/Trajadura Escolha 2019 – 12% – também da região dos Vinhos Verdes, em Portugal, este corte resulta em um vinho agradável e versátil. Ideal para aperitivos, peixes e frutos do mar e aves. – R$ 135,16

• Koehler-Ruprecht Riesling Kabinett Trocken 2016 – 11,5% – este Riesling de Pfalz, Alemanha, é fresco, saboroso e agradável. Ótimo para aperitivos e pratos da cozinha asiática. – R$ 237,62

• Domaine Horgelus Côtes de Gascogne Rosé 2018 – 11,8% – produzido no Sudoeste da França, é um vinho sedutor e saboroso, ideal para acompanhar tapas e legumes grelhados. – R$ 118,81

• Casa da Passarella A Descoberta Rosado 2018 – 12,5% – da região do Dão, Portugal, é ótimo para aperitivos, carpaccio de carne, steak tartare e saladas.  – R$ 130,80

• De Lucca Tannat/Merlot Reserva 2019 – 12,2% – produzido no Uruguai, é um vinho elegante, saboroso e equilibrado. Perfeito para acompanhar carnes e massas. R$ 120,99

• Colonnara Lyricus Rosso Piceno DOC 2017 – 12,5% – da região de Marche, na Itália, é macio, fresco e com bom corpo. Acompanha massas com molhos à base de carnes, além de carnes cozidas ou grelhadas. – R$ 146,06

• Koehler-Ruprecht Spätburgunder Kabinett Trocken 2015 – 12,5% – este Pinot Noir (Spätburgunder) de Pfalz, Alemanha, é delicioso e bastante elegante. Experimente com aves assadas e itens da charcutaria.  – R$ 288,85

• Clemens Busch VDP Grosse Lage Marienburg Riesling Kabinett 2016 – 7,5% – de produção biodinâmica, este Riesling do Mosel, Alemanha, tem teor alcoólico baixíssimo. Na taça, é um grande vinho, com leve doçura, notas cítricas e grande frescor. Excelente para acompanhar queijos maturados e sobremesas pouco doces. – R$ 393,49

Preços para o mercado de São Paulo


 

Didú Russo é editor do site www.didu.com.br, está no facebook (www.facebook.com/didu.russo/) e no Instagram (www.instagram.com/didu)