Por Mônica Krausz

Ao saber da mobilização que está circulando nas redes sociais “Projeto Âncora: estamos pedindo socorro” e “Se você não ajudar, o Âncora Vai Fechar”, a nossa reportagem se deslocou até a sede desta tão importante instituição da nossa região, reconhecida como uma das 100 melhores ONGs do Brasil em 2017, para tentar entender como um Projeto Social consolidado, com 25 anos de existência, milhares de crianças e jovens atendidos, vidas transformadas, reconhecimento nacional e internacional como uma das 12 escolas mais inovadoras do mundo, Ponto de Cultura reconhecido pelo MEC, entre outras conquistas poderia estar em risco de fechar desta forma.

Mensagem do fundador Walter Steurer logo na entrada da Instituição.

O mais triste foi chegar lá e perceber que o risco está muito mais próximo do que imaginávamos: a escola já está sem alunos. Todos tiveram de ser transferidos para outras escolas municipais e estaduais da região. E todos os profissionais que ali trabalham estão em aviso prévio até 21 de fevereiro, prazo limite para se chegar a uma solução. Não tem mais palhacinhos, malabaristas e contorcionistas sob a lona colorida do circo, nem adolescentes mostrando a escola orgulhosos para os visitantes como faziam sempre.
Segundo a atual Presidente do Projeto, Ana Letícia da Silva Maciel, a situação financeira fez com que fosse necessária a Suspensão dos Serviços, mas a mesma é reversível, por isso estão lutando com fé e coragem em busca de parcerias públicas e privadas, doações, entre outras formas de financiamento. A fé é tanta que a própria Ana Letícia não transferiu seus três filhos para outra escola até agora. Mas o prazo é mesmo dia 21. Se o dinheiro não chegar até esse dia, o Projeto Âncora vai realmente fechar, pode acreditar.

Mas como chegou a este ponto? De acordo com Ana Letícia, desde a morte do Sr. Walter a ONG vinha sendo administrada pelo Conselho, em sua maioria, amigos do fundador, que se revesaram na presidência, com boa vontade, mas não com a mesma dedicação do Sr. Walter, que se dedicava ao projeto em tempo integral. No último ano, segundo ela a destinação de impostos para a ONG baixou muito e um aporte financeiro que estava prometido para dezembro também não chegou. Então a ONG entrou no fundo de reserva que é destinado à rescisões e pagamentos de contratos, já que uma ONG não pode entrar em falência e por isso não tiveram como receber os alunos.

“Cada criança que vem pegar a transferência para outra escola nos traz uma tristeza muito grande, um nó na garganta, porque a gente vê a tristeza delas, vê que elas não queriam sair daqui”, diz a arte-educadora Maria da Penha Serícula, que trabalha no Âncora há 23 anos. “Hoje a gente já tinha filhos de ex-alunos aqui estudando com a gente”, conta.

Uma das batalhas é pela conquista de Âncoras: pessoas físicas e jurídicas que se comprometam a doar algum valor a partir de R$ 20,00 todos os meses. Para manter o Projeto Âncora funcionando, seriam necessárias 10 mil Âncoras de R$ 20,00. “Desde que iniciamos a campanha, a nossa arrecadação vem dobrando dia a dia, mas ainda é insuficiente para garantir o Projeto neste momento”, explica Ana Letícia. Outras formas de contribuição, tanto para pessoas físicas como para pessoas jurídicas seria a destinação do imposto de renda devido e também a destinação da Nota Fiscal Paulista para o CNPJ do Âncora.

Parcerias com o setor público também estão sendo buscadas, de acordo com a Presidente do Âncora. Tanto junto à Secretaria Municipal de Educação, como junto a Secretaria Estadual de Educação, porém o Projeto Âncora teria de continuar com sua autonomia pedagógica para continuar sendo uma escola inovadora. “Nossa escola poderia até atuar como polo de formação de educadores já que sempre fomos procurados por professores de todo o Brasil em busca de conhecer nosso método, inspirado na Escola da Ponte de Portugal”, conta.

A nossa reportagem também entrou em contato com a Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Cotia para saber se há interesse e possibilidade da Gestão Rogério Franco, por meio de suas Secretarias de Educação, Juventude, Assistência Social e Esportes, Cultura e Lazer, se juntos eles não poderiam atuar de alguma forma para salvar o Projeto. Segundo a Prefeitura, diversos editais têm sido lançados e há a possibilidade de o Projeto Âncora concorrer.  “Este ano, a Secretaria de Desenvolvimento Social tem novo edital  para o atendimento de 90 vagas do serviço de convivência para a Região da Granja Viana, o Projeto está concorrendo e, pontuando, poderá firmar a parceria com a municipalidade”, respondeu a Assessoria de Imprensa da Prefeitura. Segundo Ana Letícia, o Âncora está concorrendo em todos os editais possíveis.

Instalado em um terreno de 12 mil metros quadrados. Hoje o Âncora paga um aluguel mensal de cerca de R$ 28 mil reais aos herdeiros do Fundador Walter Steurer. Uma possibilidade pouco desejada, porém não descartada seria continuar em outro lugar.  As possibilidades são inúmeras, umas mais outras menos atraentes, mas todas brilham como luzinhas no final do túnel hoje percorrido pelos funcionários que ainda estão lá cumprindo seus avisos prévios.

Para coordenadora pedagógica Marisa Montrucchio, o projeto Âncora não vai fechar, vai se transformar. É essa esperança que a mantém ali, mesmo sentindo o coração partido. Segundo ela, as aulas eram para ter começado nesta segunda-feira (10) e o vazio na escola estava doendo em todos.

“Eu venho de uma família Circense e assim aprendi diversos números artísticos que aqui ensinei esses anos todos”, conta Penha. “Mas hoje ver isso aqui vazio é como ver um corpo sem alma, são as crianças que fazem isso aqui pulsar”, diz ela. “Aqui a gente aprende mais com elas do que ensina e é muito triste estar aqui sem as crianças”, diz emocionada.

Sim, as crianças e jovens, o futuro do país, precisam ser a motivação desta luta em socorro do Âncora. Há 23 anos, o fundador Walter Steurer falou à reportagem da Revista Zá,  uma publicação infanto-juvenil de circulação nacional, “Se a sociedade não cuidar dos seus muitos pobres, os seus muitos ricos sucumbirão”, lembrando que era melhor investir levantando a lona do circo do que subir os muros das casas. De lá pra cá muitos muros foram erguidos e eletrificados e uma das poucas lonas corre risco de ir ao chão.

Benedita, a Dita da cozinha, mãe de Cleriston, há 19 anos no Âncora.

E como o Projeto Âncora construiu futuros! O hoje professor doutor Cleriston Izidro dos Anjos, filho da cozinheira Benedita dos Anjos, frequentou o Projeto Âncora na adolescência, mais tarde trabalhou como auxiliar administrativo no Projeto Âncora e foi incentivado por Walter Steurer a cursar Pedagogia, quando conseguiu entrar em uma universidade pública. Hoje atua até em projetos internacionais de educação. Há 19 anos no Âncora, sua mãe, a Dita, da cozinha, também se emociona com a possibilidade de ver o sonho do Sr. Walter e de tantos amigos do Âncora acabar.

 

A Presidente Ana Letícia na corrida contra o tempo em busca de soluções.

Voltar às origens, quando o Projeto começou, em 1995, e tinha apenas oficinas de arte circense e serviço social, com alimentação e cuidados básicos ambulatoriais para crianças, na avaliação de Ana Letícia, não seria uma solução, pois os maiores gastos hoje são com aluguel e folha de pagamentos. O sonho da escola veio muitos anos depois, em 2012, um ano após a morte do Sr. Walter, porém, como já tínhamos uma estrutura administrativa, pessoal de limpeza, manutenção, cozinha e etc… apenas 20% da nossa folha de pagamentos é destinada a professores, ou seja, se houver os 80% disponíveis, conseguir os outros 20% não seria tão difícil e manter a escola é a vontade de todos.

Como você pode ajudar?

Doe para a causa:

Via imposto de renda de pessoa física e jurídica, você pode doar direto para o Projeto Âncora. Não sabe como fazer isso? Eles estão à disposição para te ajudar a ajuda-los. Ligue (11)4612-99 66 ou (11) 93311-2221 (com Pâmela ou Gabi).

Vai no fundo:

Por meio do Incentivo Fiscal, pessoas físicas podem doar até 6% do imposto de renda devido no momento da declaração. Empresas que têm como regime de tributação o lucro real, podem declara como despesa operacional e ainda podemos captar pelo FUCONDI. Veja aqui o passo a passo. https://www.projetoancora.org.br/incentivo-fiscal

10.000 ÂNCORASR$ 20 POR MÊS FAZ FALTA EM SEU ORÇAMENTO?

Se alcançarem 10 mil pessoas doando este valor todo mês, conseguiremos nos manter e o barco segue em frente. Neste link, http://escolaprojetoancora.org.br/caa/, você escolhe qual será seu apoio, a partir de R$20.

Seja plena, seja pleno

O programa Nota Fiscal Paulista, do governo do estado de São Paulo, prevê a doação automática de créditos para uma entidade social autorizada. É necessário ter cadastro no sistema de nota fiscal e dar o seu CPF na hora da compra. Acesse e escolha o Projeto Âncora como instituição de destino desta verba. Para você, nada muda; para o Projeto faz toda a diferença. Faça o que estiver a seu alcance!

https://www.nfp.fazenda.sp.gov.br

Depósito em conta

Também vale depositar qualquer valor em nossas contas.

Banco Itaú S/A – Agência: 3218 – Granja Vianna – C/C.: 00970-6

Banco Bradesco – Agência 2384 – Granja Vianna – C/C.: 5239-6

CNPJ: 00.860.895/0001-34 

Kaio Oscar, de 12 anos, já está em outra escola, mas ainda dá uma passadinha no Projeto em busca de apoio das antigas educadoras.

Saiba mais sobre o Projeto Âncora:

https://www.projetoancora.org.br/
https://www.instagram.com/projetoancora/
https://www.youtube.com/channel/UClN8BQCWDX58ImPgRrqpapA