Relato apaixonado por Caucaia do Alto

Logo que me mudei para cá, senti um impacto muito grande. Criada e crescida no ABC Paulista, acostumada com as facilidades da cidade grande, tendo “tudo” ao alcance das mãos, principalmente a logística para se locomover, “deixei” as amizades para trás e de repente me vi numa cidadezinha pequena, no meio do mato, com problemas gravíssimos com falta de energia elétrica, problemas de locomoção com falta de ônibus, estradas enlameadas para chegar em casa, o modo das pessoas diferente daquelas da cidade grande, além do frio intenso. (…) Chorei, chorei e indaguei a Deus, Senhor, porque estou aqui, nesse lugar?! O que você quer de mim? E assim passaram-se alguns dias, até que uma grande amiga de São Paulo me ligou e desabafei a dificuldade que estava vivendo e, ela com sua sabedoria, me disse: “Tenha calma, Deus tem um propósito para você e seu filho neste lugar, procure ver com bons olhos”. Os dias seguiram e a adaptação veio após quase dois anos. Meu filho estudava numa escola incrível (CE Allan Kardec), pegávamos estradas de terra arborizadas, com muita lama e aquele frio, entrávamos no carro e seguíamos cantando como os pássaros que nos acompanhava. Na escola, antes de iniciar as aulas, as crianças cantavam acompanhadas de violões tocados pelos professores e faziam uma prece. Ele sempre voltava da escola com as roupas sujas de barro, mas todo feliz. Nos fins de semana, nos reuníamos com familiares que também haviam se mudado pra cá. Murilo escalava árvores, pescava, tomava banho no lago, pura diversão, pura vida e eu, trabalhando, já com alguns amigos e boa. Numa tarde de sábado, estava muito calor (isso era festa) e, de repente, o céu avisa que lá vem chuva. Foi então que minha irmã Fátima teve a ideia de plantarmos árvores pelo condomínio durante a chuva… ahh, quanta diversão e entrega, foi neste exato momento que reconheci a bênção que eu havia recebido. Hoje nossas árvores cresceram e enfeitam o condomínio. Murilo valoriza cada detalhe da natureza, é um garoto calmo, de vida simples, com bons amigos, estuda numa boa escola estadual que carrega a tradição dos nossos tempos (anos 1980/1990) e eu trabalho na cidade, fiz amizades com pessoas incríveis e aqui descobri o poder do ioga e meditação. Adoro caminhar pelas nossas estradas, hoje a maioria asfaltada, mas o verde permanece. Fico sempre encantada quando no anoitecer passo pelo centrinho, a igreja sempre aberta, a praça com jovens, crianças e casais se divertindo, alguns se exercitando e sinto no coração aquele amor, aquela paz. Tem também os dias de banho na cachoeira, amo! Não temos trânsito e nem andamos com aquela tensão com o medo da violência urbana, embora tenha crescido e a população aumentado, ainda transitamos pela cidade e encontramos pessoas que nos conhecem pelo nome ou pelo menos sabe a qual família pertencemos, é muito lindo. Sou apaixonada por Caucaia do Alto, pelas pessoas, grata a Deus e as pessoas que fazem parte dessa história.

Nivia Xavier